terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Bastard!! (OVA)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 23/05/2002.


Alternativos: Bastard! Destroyer of Darkness, Bastard!! Ankoku no Hakai-jin
Ano: 1992
Diretor: Katsuhito Akiyama
Estúdio: AIC / Shueisha
País: Japão
Episódios: 6
Duração: 30 min
Gênero: Aventura / Comédia / Shounen



Para libertar o maligno Deus Anthrathax de seu sono milenar, os líderes da organização Shitenno precisam quebrar os quatro selos que o mantém em repouso. Para isto, precisam destruir os reinos que detêm estes selos: Judas, Metalicana, Iron-Maide e Witos-Neiki (!!!). Liderados pelos sombrios Kall-Su e Abigail, os seguidores da Shitenno destroem o reino de Judas com incrível facilidade, e marcham para conquistar Metalicana.

Neste reino vivem a simpática Yoko e seu companheiro, o pequeno Luche. Filha do sacerdote Geo, Yoko não sabe que ela e Luche serão decisivos para o futuro do reino de Metalicana: eles são a chave para a libertação de Dark Schneider, outrora um mago poderoso e maligno que, por muito pouco, não dominou o mundo, graças à intervenção de Geo. Embora seja uma tentativa arriscada, libertar Dark Schneider pode ser a última esperança para derrotar a Shitenno.

Bastard é uma série de 6 OVA´s, produzida pela Shueisha em 1992. Uma das primeiras coisas que chamam a atenção em Bastard é a qualidade da animação, suave e bem detalhada mesmo para os padrões de hoje. Além disto, são constantes as referências a bandas de hard-rock e heavy-metal durante toda a série: Venom, Stryper, Slayer, Tesla, Megadeth, entre outros. Abigail, por exemplo, é o nome de um famoso álbum do lendário King Diamond, ex-vocalista do Mercyful Fate... e por aí vai. Não deixa de ser um passatempo tentar descobrir todas os nomes conhecidos que aparecem! =)


A história de Bastard é bem bobinha, cheia de situações como "Eu vou esmagar você!!", "Você não é páreo para mim!" ou "O quê? Como ele escapou de minha magia YUIOEWYWI?". Em outros casos, basta a mocinha dar um grito de pavor para que o herói, quase morto, ressurja das cinzas e detone quem pintar na frente... clichês atrás de clichês. Mas existem duas coisas que dão um certo tempero a Bastard:

-É um desenho bem sacana! Não que tenha algo hentai, mas algumas cenas inesperadas de nudez ou até mesmo de sacanagem implícita aparecem a todo momento.

- Dark Schneider. Ele é a razão para se assistir a Bastard. Apesar de ser o herói da história, ele tem o estereótipo do anti-herói: convencido, machista, boca-suja, interesseiro... mas, acima de tudo, um cara autêntico pracas! Pode ter certeza que, com Dark Schneider em cena, o circo pega fogo!



Para ser sincero, eu esperava um pouco mais de Bastard. Apesar de seus méritos em relação à animação e da presença magnética de Dark Schneider, oferece muito pouco em conteúdo. De certo modo, pode-se dizer que Bastard é um versão hardcore e condensada de Dragon Ball Z, com Dark Schneider fazendo o papel de um Goku barra-pesada. Bastard é um anime legalzinho, que poderia ter sido excelente sem o excesso de clichês e frases-feitas.


Marcelo Reis


 

3 comentários:

  1. Á História Bastard!! E MUITO SERIA NAO E FRACA NEM BOBINHA, ESSA HISTÓRIA E MAIS SERIA QUE PARECE PRIMEIRO O PERSONAGEM PRINCIPAL E UM QUASE VILÃO ISSO JA ESTRAGOU O ANIME, SEI QUE ELE LUTOU COM OUTROS PARA ELE SOZINHO TER O MUNDO MAIS O VERDADEIRO HEROI QUE NAO DEIXOU Ele tentou conquistar o mundo a 15 anos atr�s mas foi impedido e preso gra�as a um encantamento no corpo do garoto Lurshe Len Len. Mas agora o reino de Metallicana corre perigo denovo e o alto clerigo Geo s� v� uma saida...libertar o mago para tentar ajudar eles a salvar o reino.

    ResponderExcluir
  2. Eu concordo com tudo que foi dito sobre o anime de Bastard. O mangá vale pelas tiradas hilárias com os mangás shones.
    OBS:É bom rever o Animehaus de volta.Visitava sempre, mas nunca comentei. Sou uma grande fã de vocês. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karina, antes de mais nada, obrigado pelo comentário e pelos elogios! :)

      Pois é, não nego que me diverti muito com Bastard, mas poderia ter sido muito melhor.

      Excluir