terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Crest of the Stars (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 25/07/2002.

Alternativos: Seikai No Monshou
Ano: 1999
Diretor: Yasuchika Nagaoka
Estúdio: Sunrise
País: Japão
Episódios: 13
Duração: 25 min
Gênero: Drama / Sci-Fi / Romance


Excepcional série criada pela Bandai e pela Sunrise, Crest of the Stars é baseada no livro homônimo escrito por Hiroyuki Morioka. No futuro, grande parte do espaço sideral é controlada pelo Império Humanóide Abh, uma raça com uma frota militar poderosíssima e quase invencível. Dotados de extrema inteligência e senso prático, os Abh surgiram como resultado de pesquisas genéticas feitas pelos humanos. São seres muito bonitos, semelhantes a elfos, e que não envelhecem.

Jinto Lin é uma habitante do planeta Martine, recém conquistado pelos Abh. Filho do presidente Rock Lin, Jinto acaba se tornando parte de um acordo entre seu pai e o império Abh, e é enviado para uma escola prepatória, visando seu futuro como comandante de Martine em nome dos Abh. Após a fase inicial desta preparação, Jinto deve ser enviado para o planeta Sufugnoff, onde continuará seu aprendizado. Lafiel, uma bela Abh, é encarregada de escoltar Jinto até Sufugnoff. Nasce aí uma grande amizade, marcada pelos comportamentos antagônicos de Jinto e Lafiel. Mas o futuro de ambos se apresenta incerto, em função do conflito iminente entre os Abh e a Aliança das Quatro Nações, congregação das maiores nações humanas que buscam reconquistar a liberdade.


Apesar de ser uma série protagonizada por adolescentes, Crest of the Stars é um dos animes com diálogos mais inteligentes que já vi. Jinto e Lafiel, apesar de jovens, não são inconseqüentes. Ao mesmo tempo que apresentam comportamentos típicos de jovens inexperientes, eles mostram uma serenidade incrível ante as adversidades, em função de todas as provações pelas quais passaram durante a infância. Apesar de todo o carisma de Jinto e de alguns humanos, e inegável que o show fica por conta dos Abh. Com sua mentalidade de "tudo ou nada" e uma busca incessante pela perfeição (são fanáticos por cifras), os Abh possuem uma lógica tão direta e, às vezes, tão pueril, que chegam a ser engraçados.

A produção de Crest of the Stars é um espetáculo! O início de cada episódio vai adicionando novas informações sobre o histórico dos Abh, com um detalhe: TUDO é narrado na língua dos Abh! Isto é feito com tal cuidado que você fica doido para descobrir onde aprender esta língua! =) Outra idéia interessante diz respeito ao Espaço Plano, uma área paralela ao Espaço Normal que funciona como atalho para as mais diferentes áreas do espaço. O drama em Crest of the Stars também é marcante, e me lembrou muito alguns episódios dramáticos de Patrulha Estelar (Uchuu Senkan Yamato). O capítulo sobre a Nave Gosroth é inesquecível!

Duas coisas me impedem de dar nota máxima a Crest of the Stars. Primeiro, algumas seqüências em que naves e personagens são apresentados um a um, com detalhes minuciosos... a Bandai nos joga na cara e sem nenhuma cerimônia que, apesar de ser uma obra com a qualidade típica da Sunrise, Crest of the Stars também foi descaradamente criado para vender brinquedos. A segunda coisa é uma mudança drástica no andamento na primeira metade do episódio 13. Tudo fica um tanto exagerado e inverossímil, parecendo um filme de ação de baixa qualidade.



Apesar de tudo, Crest of the Stars é um senhor anime, cujo sucesso deu origem a mais duas séries (Seikai no Senki I e II), além do OVA Seikai no Danshou. Com personagens muito bem desenvolvidos, visual acachapante, trama complexa e uma trilha sonora grandiosa e magnífica, Crest of the Stars já garantiu lugar entre meus animes favoritos. Grande pedida!

OBS: Não parem antes dos créditos finais do último episódio acabarem! ;-)


Marcelo Reis


Nenhum comentário:

Postar um comentário