quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Geobreeders (OVA)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 24/04/2005.

Ano: 1998
Diretor: Yuji Moriyama
Estúdio: Chaos Project / Victor Entertainment
País: Japão
Episódios: 3
Duração: 30 min
Gênero: Aventura / Comédia / Shounen



À medida em que envelhecemos, temos uma tendência natural para escolher obras audiovisuais mais elaboradas, que ofereçam algo mais do que apenas ação ininterrupta, imagens fabulosas e efeitos visuais em CGI de cair o queixo. Mas o lado criança que existe dentro de cada um nunca morre, e sempre ouvimos aquela voz que vem lá do fundo, pedindo suavemente por uma diversãozinha despretensiosa e descerebrada. É para momentos como este, quando nos entregamos aos famosos "guilty pleasures" sem nos preocuparmos com a opinião alheia, que existem animes como Geobreeders. Ou alguém em sã consciência acreditaria que um enredo baseado, entre outras coisas, em uma caçada por gatos fantasmas que podem assumir a forma humana (!!) é algo para ser levado a sério?

Tudo começa com uma atentado causado por um dispositivo magnético a uma usina atômica situada na cidade de Ayagane. Para verificar o que está por trás deste atentado, entra em ação a Empresa de Segurança Total Kagura Ltda. Gerenciada por Eiko Rando, uma mulher meio possessa, boa de briga e que só pensa em dinheiro, a Kagura conta quase que exclusivamente com mulheres em seu quadro de funcionários, como o "projeto de Rambo" que atende pelo nome Maki Umezaki e a "nerd" viciada em computadores Takami Sakuragi. Yoichi Taba é o único homem da empresa, um pobre coitado que sofre nas mãos das companheiras de trabalho e que acaba invariavelmente se envolvendo nas piores situações de conflito aberto entre a Kagura e a empresa rival Hound.

Conversa vai, conversa vem, somos apresentados aos tanques de guerra responsáveis pelo ataque à usina atômica, os quais estão completamente tomados por um monte de gatos de olhos verdes! O surgimento dos supracitados gatos fantasmas, os quais usam uma estranha tecnologia envolvendo dados que se manifestam no mundo real, a busca por alguns talismãs perdidos e a breve chegada de uma importante e misteriosa carga proveniente da Rússia vêm apenas adicionar mais confusão (e clichês, hehehe) à história deste anime "mucho loco".


Esqueçam a história imbecil e a quantidade assombrosa de lugares comuns envolvendo o enredo, os personagens caricatos e o pano de fundo pseudo-complexo (temos até ameaças cibertecnológicas aqui, é mole?). O que vale em Geobreeders é a diversão pura e o ritmo insano, com "gags" visuais que vão se acumulando alucinadamente, intercaladas de tempos em tempos por cenas de ação e tiroteio tão exageradas que deixariam até John Woo envergonhado, hehehe.

Por se tratar de um anime curto (apenas 3 OVAs de 26 minutos), Geobreeders não sofreu com problemas relacionados à falta de verbas e, por esta razão, possui um excepcional acabamento técnico, o que é fundamental para o sucesso de uma obra puramente baseada na ação ininterrupta. A boa trilha sonora composta por Kotaro Nakagawa alterna climas dramáticos e cômicos com eficiência, mas não chega a ser especialmente marcante. O mesmo pode ser dito do desenho de personagens criado por Yasuhiro Oshima (Geneshaft, I Wish You Were Here): é bacana, expressivo, funciona bem tanto nas cenas de comédia quanto de ação, mas sem nada de muito especial. O roteiro, então, nem se fala, hehehe! Não sei se a culpa é do mangá original de Akihiro Ito ou do roteiro de Yousuke Kuroda (Excel Saga, Infinite Ryvius), mas o fato é que a tentativa de injetar uma mistureba de coisas na história de modo a passar a idéia de que o enredo é mais complexo do que parece às vezes prejudica o ritmo da narrativa, que se torna ora corrida demais, ora excessivamente truncada.



Verdade seja dita, se alguém quiser assistir um anime pela história, é melhor procurar por um GITS-SAC ou um Kino no Tabi. O negócio aqui é diversão pura, e neste aspecto Geobreeders é muito bem sucedido. Não muda a vida de ninguém, é tão passageiro quanto um "fast-food", mas diverte para valer. Que o diga o final do anime, uma das seqüências mais exageradas à qual tive o prazer de assistir em minha vida! Geobreeders deve ter agradado também aos japoneses, tendo em vista que uma continuação chamada Geobreeders Breakthrough foi lançada algum tempo depois. Mas isto é uma outra história. Por enquanto, curtam este divertido anime e cuidado com os gatos fantasmas! E olhem que nem falei dos homens vegetais, hehehe...


Marcelo Reis


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário