quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Grave of the Fireflies (Movie)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 11/06/2003.

Alternativos: Hotaru no Haka
Ano: 1988
Diretor: Isao Takahata
Estúdio: Studio Ghibli
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 88 min
Gênero: Drama / Guerra / Histórico



A brilhante trajetória do Studio Ghibli mistura-se à genialidade de seus dois fundadores, Hayao Miyazaki e Isao Takahata. Grandes amigos, Miyazaki e Takahata foram companheiros de trabalho no famoso Nippon Animation, estúdio responsável por alguns clássicos da animação japonesa, como Heidi, Mirai Shonen Conan e Lupin III. O surgimento do Studio Ghibli coincide com o lançamento de Kaze no Tani no Nausicaa, em 1984 - que, na verdade, é do estúdio Topcraft, mas é considerado o embrião do que viria a ser o Ghibli - e desde então, o público tem sido brindado com obras fantásticas, tais como Laputa, Mononoke Hime e Sen to Chihiro no Kamikakushi.

Normalmente os animes do Studio Ghibli possuem temáticas voltadas à fantasia e são dirigidos pelo incrível Hayao Miyazaki, mas quis o destino que sua obra mais pungente, realista e autoral não fosse conduzida por Miyazaki mas, sim, por seu companheiro de jornada, Isao Takahata.

Grave of the Fireflies (Hotaru no Haka) foi lançado em 1988, juntamente com Tonari no Totoro (chamado de "Meu Amigo Totoro" no Brasil), e quase não saiu da prancheta de projetos. Poucas pessoas tinham confiança que um anime sério, de fortíssima carga dramática e com um orçamento tão elevado pudesse ser bem sucedido. As dificuldades para o financiamento de sua produção foram evidentes mas, felizmente, Grave of the Fireflies se tornou realidade... do contrário, teríamos sido privados de uma obra-prima incontestável, não só em relação ao mundo da animação mas, também, ao universo cinematográfico como um todo.

Hotaru no Haka é baseado no livro semi-autobiográfico de Akiyuki Nosaka, sobrevivente da II Guerra Mundial, cuja irmã morreu de fome durante o conflito. Amargurado pela culpa, pois acreditava ter sobrevivido às custas da fome da irmã, Akiyuki Nosaka escreveu este livro como uma espécie de expiação por seus pecados, além de ser um tributo à memória de sua irmã e seus familiares.

A história gira em torno da vida do jovem Seita e sua irmã mais nova, Setsuko. Enquanto seu pai combate os americanos em alto-mar, Seita e Setsuko vivem com a mãe, sempre às voltas com os constantes alertas de ataques aéreos. Após perderem a mãe num intenso bombardeio, Seita e Setsuko são obrigados a amadurecer rapidamente e enfrentar situações difíceis e penosas... ainda assim, fazem de tudo para encontrar alegria e satisfação nas menores coisas, como um banho de mar ou observando vagalumes à noite. Mas a fome crescente, as doenças e a insensibilidade dos adultos tornam a vida de ambos cada vez mais dura, e as perspectivas para o futuro ficam cada vez mais sombrias...


No tocante à animação, é impressionante a atenção dedicada aos menores detalhes em Grave of the Fireflies, desde o perfeito movimento dos personagens numa simples troca de roupas até os impressionantes bombardeios feitos pelos americanos às cidades japonesas. O fato de Grave of the Fireflies ter sido feito inteiramente em acetato, sem nenhum efeito de computação gráfica, valoriza ainda mais o excepcional trabalho da equipe de animação.

(Curiosidade: um dos principais animadores em Hotaru no Haka foi ninguém menos que o brilhante Yasuomi Umetsu, mais conhecido por suas polêmicas obras Kite e Mezzo Forte, animes com doses nada homeopáticas de violência e sexo explícito).

Outro fator digno de nota diz respeito ao cuidado na criação dos personagens, não só em relação ao tipo de linguagem utilizada mas, principalmente, em relação ao comportamento realista dos mesmos. Tomemos como exemplo a tia de Seita e Setsuko, que à primeira vista parece uma megera materialista e sem compaixão... se levarmos em consideração as dificuldades presentes em tempos de guerra, ficamos a nos perguntar se não nos comportaríamos exatamente da mesma maneira, se estivéssemos em tal situação.

Seita e Setsuko são personagens memoráveis! É nítida a afinidade perfeita entre os irmãos e o esforço que cada um faz pelo bem-estar do outro. Para manter Setsuko alheia aos horrores da guerra e, com isto, preservar sua inocência, Seita procura manter o bom humor em todos os momentos, buscando enxergar algo de positivo mesmo nas piores situações. Setsuko, por outro lado, pode ser considerada a mais bem caracterizada personagem infantil da história da animação, não só pela perfeição e sutileza de seus movimentos mas, principalmente, em função do excelente trabalho de dublagem feito por Ayano Shiraishi. Normalmente as dublagens de personagens infantis são feitas por "seiyuus" adultos que tentam imitar os maneirismos infantis, o que costuma gerar certas incoerências em relação ao tipo de vocabulário usado por uma criança. No caso de Hotaru no Haka isto não acontece, pois Ayano Shiraishi tinha apenas 5 anos de idade quando participou desta obra... a autenticidade na maneira com que expressa os sentimentos de Setsuko é tocante!

Nas mãos de um diretor incapaz, Grave of the Fireflies teria facilmente descambado para o choro fácil e para a pieguice. Felizmente, Isao Takahata não é um diretor qualquer, e conseguiu o equilíbrio necessário para retratar a triste história de Seita e Setsuko, sem apelar para situações piegas uma vez sequer. É interessante notar que, na primeira cena, já sabemos que Seita está morto, mas isto não reduz em nada o tremendo impacto emocional causado por Grave of the Fireflies. A história é contada em "flashback", através das lembranças de Seita, durante sua jornada ao descanso final. Enquanto as imagens das lembranças são retratadas em cores vivas, as imagens do além são mostradas em tom sépia.



Grave of the Fireflies é, indubitavelmente, uma das obras máximas dentro do universo dos animes. Com passagens memoráveis, como a famosa cena dos vagalumes dentro do abrigo, Grave of the Fireflies deve ser assistido com cautela por pessoas mais sensíveis, pois a força dramática deste anime é capaz de arrancar lágrimas de uma pedra. Enfim, palavras não são suficientes para descrever a maravilha que é este anime. Obrigatório e imperdível!

"Por que os vagalumes morrem tão rápido?" - Setsuko


Marcelo Reis


4 comentários: