sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Nazca (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 07/04/2003.

Alternativos: Dimension Movement of Nazca, Tenkuu Tenshou Nazca
Ano: 1998
Diretor: Hiroko Takita
Estúdio: GENCO / Radix
País: Japão
Episódios: 12
Duração: 25 min
Gênero: Aventura / Drama / Fantasia


Kyoji Miura é um estudante secundarista com uma habilidade inata na arte do kendô. Não é à toa que Kyoji é o mais brilhante discípulo do mestre Masanari Tate, um dos mais hábeis praticantes de kendô de todo o Japão. Durante as seletivas para escolha de um representante local no Campeonato Nacional que se aproxima, um estranho evento acontece em uma luta decisiva, envolvendo Tate. Visões aparentemente sem sentido misturam-se na mente de Tate, Kyoji e Yuka Kiritaka, uma bela jornalista que acompanha o torneio. Seriam estas visões ecos do passado destes três personagens? Além disto, que relações estes personagens poderiam ter com o planalto de Nazca, região onde se localizava o Império Inca, no Peru?

Nazca é uma série de 12 episódios, produzida pela Pioneer LDC e Kadokawa Shoten, com a animação ficando a cargo dos estúdios Genco e RADIX (este último, responsável pela animação de Haibane Renmei). A primeira coisa que chama a atenção em Nazca é sua qualidade visual. O desenho de personagens é fenomenal, com personagens de traços belíssimos e muito expressivos. A animação é tão bem feita que, algumas vezes, temos a impressão de estar assistindo a uma série de OVA´s, ao invés de uma produção para a TV. Ainda na parte visual, merece destaque o excelente trabalho de arte nos cenários, com algumas seqüências que são puro surrealismo.

A trilha sonora é outro ponto forte em Nazca. A mistura de músicas clássicas com ritmos eletrônicos e instrumentos típicos dos Andes deram origem a uma trilha sonora muito diferente e agradável. Basta ouvir a música de abertura para entender o que estou dizendo. ^^"


Tudo leva a crer que Nazca é uma série fantástica, correto?? ---- ERRADO!!! ---- Nazca é mais uma série cujos produtores jogaram todas as fichas nos aspectos técnicos, se esquecendo que uma boa história contada num ritmo adequado e com personagens carismáticos ainda têm uma certa importância na hora de conquistar o público.

A história começa meio capenga, mas dá a impressão que vai engrenar após o episódio 4 (impecável)... infelizmente, o roteiro desanda mais e mais, com um abuso tão grande de dramalhões e soluções simplistas que chega a ser constrangedor. Para completar a desgraça, Nazca deve ser o anime com a maior quantidade de clichês de todos os tempos! Temos romances forçados e nem um pouco convincentes, vilões com a velha mania de falar ao invés de agir, heróis que querem salvar o mundo sozinhos e que só lutam bem quando estão com "raivinha"... bomba, bomba!!! =(

Os personagens também não ajudam. Se, no início, todos parecem ter um certo equilíbrio nos sentimentos positivos e negativos, rumo ao final o maniqueísmo impera, com vilões que são extremamente maus e heróis tão bonzinhos que dão raiva. Kyoji vira um chato de galocha, Tate vira um mala sem alça e Yuka... bem, digamos que um prato de "ramen" sem tempero é mais saboroso! ^_^

E, só para finalizar, é preciso dizer que, se Nazca é impressionante no tocante a animações 2D, é também uma decepção completa quando o assunto é 3D. Algumas cenas com mistura entre cenários 3D e personagens 2D são tão mal-feitas que temos a impressão de estar assistindo a um bom e velho episódio do Chapolin, com aquelas "maravilhosas" cenas de vôo! ^^"



Nazca é uma bomba nuclear!! Nem vale a pena gastar mais tempo e fosfato escrevendo alguma coisa sobre ela. A série é ruim mesmo, e merece permanecer no limbo por toda a eternidade!


Marcelo Reis


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário