sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Neon Genesis Evangelion (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 27/10/2002.

Alternativos: Shin Seiki Evangelion
Ano: 1995
Diretor: Hideaki Anno
Estúdio: Gainax / Production I.G
País: Japão
Episódios: 26
Duração: 25 min
Gênero: Drama / Mecha / Sci-Fi


Evangelions, ou simplesmente EVA´s, são enormes mechas utilizados para proteger a Terra da invasão dos Anjos, gigantescos seres mecânicos com características orgânicas, capazes de evoluir e se regenerar. 15 anos antes, um Anjo foi o responsável pela ocorrência do Segundo Impacto, um evento catastrófico que transformou a Antártida num inferno e causou um número incalculável de mortes ao redor do planeta. Os EVA´s foram criados pela organização NERV com o intuito de evitar uma nova invasão dos Anjos e a conseqüente ocorrência de um apocalíptico Terceiro Impacto, que acabaria com toda e qualquer forma de vida na Terra.

Os EVA´s podem ser pilotados apenas por jovens de 14 anos, nascidos imediatamente após o Segundo Impacto e com algumas características especiais. Estes jovens, que possuem uma sincronia ímpar com os EVA´s, são:

- Rei Ayanami, uma garota sem passado, fria e sem emoções, que cumpre todas as ordens que recebe sem pestanejar.
- Asuka Langley Soryuu, garota alemã com excelente habilidades de luta mas extremamente convencida de sua força.
- Shinji Ikari, um garoto fechado e sem amigos, filho do líder da NERV, Gendo Ikari, com quem tem um relacionamento distante e impessoal.

À medida em que os confrontos entre EVA´s e Anjos ficam mais acirrados, torna-se mais claro que não é apenas o futuro da Terra que está em jogo mas, também, a existência da humanidade na forma em que conhecemos, não importando o lado vencedor. E diversas questões começam a aparecer: o que são, na verdade, os EVA´s? Qual a relação entre os EVA´s e os Anjos? O que foi o Segundo Impacto? O que é o Projeto paralelo coordenado por Gendo Ikari, a verdadeira razão por trás da existência da NERV? Seriam os Anjos e humanos realmente diferentes?

Já deu para perceber que complexidade é o que não falta a esta famosa série. Para quem viveu em Plutão nos últimos anos e está por fora das notícias, Neon Genesis Evangelion é, talvez, o anime mais famoso e cultuado de todos os tempos, com uma enorme legião de fãs espalhados por todo o mundo. Evangelion é uma obra do estúdio Gainax, conduzida com mão-de-ferro por Hideaki Anno, responsável pela direção e desenho dos mechas, e mistura cenas de ação incríveis com situações dramáticas e muitos questionamentos filosóficos.


Evangelion é uma das séries de TV mais impressionantes nos aspectos técnicos. Além da trilha sonora arrepiante, Evangelion possui uma qualidade de animação poucas vezes vista em séries de TV produzidas na época pré-CGI. Levando-se em conta que Evangelion é uma série mais longa, de 26 episódios, é de se admirar a capacidade de superação da Gainax, já que, aparentemente, o orçamento destinado à produção da série não foi dos mais expressivos. Ainda assim, apesar da reutilização de seqüências animadas aqui e ali e da queda brusca na qualidade da animação a partir do episódio 18, quando houve um corte de verbas por parte da SEGA, é impressionante o nível de excelência na animação na maior parte dos episódios. As cenas em que os EVA´s entram em ação, por si só, já valeriam a série.

Evangelion torna-se cada vez melhor à medida em que a história se desenvolve. Perguntas vão sendo deixadas em aberto, aumentando a curiosidade e a expectativa para o que vem em seguida, e os efeitos são marcantes, à medida em que a verdade vai aparecendo. Cheio de referências religiosas, Evangelion levanta questionamentos sobre a existência e a vontade do ser humano em se equiparar a Deus a todo custo, trazendo o conceito de animes com temas sérios para um patamar nunca antes imaginado.

Mas isto não quer dizer, nem de longe, que Evangelion seja um anime perfeito. Apesar de toda a complexidade do tema central, a primeira metade da série é extremamente simplista e irritante em algumas partes, com algumas situações forçadas ou cenas de combate tão exageradas que chegam a ser cômicas. Basta lembrar dos combates nos porta-aviões ou do ataque sincronizado feito por Asuka e Shinji... não dá para engolir. Em relação aos personagens, o caso é um pouco mais sério. Se existem personagens adoráveis e realistas como Misato Katsuragi, comandante super bem humorada e chegada numa cerveja, ou Ritsuko Akagi, cientista devotada ao trabalho mas bastante emotiva, o mesmo não pode ser dito dos pilotos dos EVA´s. Não digo muito de Rei Ayanami, já que existem razões para o seu comportamento distante, mas Shinji e Asuka são puro clichê. Shinji não sabe fazer outra coisa a não ser reclamar da vida, se fazer de vítima e fugir dos problemas, enquanto Asuka tem lugar cativo entre os maiores "malas-sem-alça" do mundo dos animes, sempre se achando a melhor, a superior, a mais gostosa.

Mas o grande problema de Evangelion é, disparado, o seu final. A série tem um ritmo excepcional até o episódio 24, mas os dois últimos são um caso sério, com um andamento arrastado e confuso e que tem a intenção um tanto pretensiosa de explicar o porquê do vazio existente na alma dos seres humanos. Prefiro não dar detalhes sobre o que acontece nestes episódios, mas basta dizer que a reação do público foi tão negativa que a Gainax acabou realizando o longa-metragem End of Evangelion, que apresenta um final alternativo e mais aceitável.



Neon Genesis Evangelion é uma série realmente muito boa, mas que acaba sendo prejudicada pela pretensão da Gainax em criar uma obra audiovisual complexa o suficiente para mudar o mundo, tão complexa que, ao invés de trazer respostas, deixa o espectador com mais dúvidas na cabeça.


Marcelo Reis


 

4 comentários:

  1. Concordo em grande parte com a resenha, porem discordo de voce em partes Marcelo.
    Há de se entender que o Anime tem 20 anos, é o bebê dos grandes animes. Talvez o principal precursor das super produções atuais.
    Parte disso pode ser comprovada com todo o alvoroço causado pelos rebuilds da série (4 filmes com o ultimo ainda para lancar) que estão mexendo com os fãs do mundo todo.
    Para aqueles que nunca tiveram a oportunidade de assistir um anime tão incrivel eu digo, nao percam tempo! Só nao tirem da cabeça que o mesmo já tem 20 anos, e desde então muita coisa mudou.
    Obs. Este foi meu primeiro anime, há 14 anos atrás então talvez eu não seja realmente muito imparcial. Abraço a todos, e não deixem depois de assistir a série (26 episodios), assistirem o End of evangelion e depois os rebuilds - nessa sequencia.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Guilherme.

    Antes de mais nada, valeu pela mensagem! :)

    Cara, eu até entendo o lance da idade do anime, mas neste caso isto realmente não pesou em nada na minha análise. Basta dizer que obras bem mais antigas, como Nausicaä e Hotaru no Haka, não perderam nada do frescor e da qualidade, e foram produzidas bem antes de Evangelion.

    Minhas implicâncias com a série dizem respeito aos detalhes negativos que eu citei na resenha, em especial os personagens irritantes e os episódios finais da série. Já os "rebuilds" têm me agradado muito.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa marcelo!
      Aproveitando a resposta, quero te parabenizar pelo seu trabalho, tenho a certeza que não é nada facil.
      E concordo contigo nos pontos negativos, provavelmente me deixei levar pelo "fanatismo" ao anime que me introduziu de cabeça nesse mundo!
      E pode deixar que adicionei a minha lista esses 2 que você citou, que eu nao conhecia por sinal.
      Abraco e keep up the good work!

      Excluir
    2. Opa, Guilherme, valeu demais! Às vezes é meio complicado manter o site, por causa das obrigações da vida diária, mas vamos levando, hehehe.

      Depois me diga se curtiu Nausicaä e Hotaru no Haka. :)

      Um abraço!

      Excluir