sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Nightwalker (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 15/10/2003.

Alternativos: Mayonaka no Tantei - Nightwalker, Midnight Detective - Nightwalker
Ano: 1998
Diretor: Kiyotoshi Sasano / Yutaka Kagawa
Estúdio: AIC / Bandai Visual / BeSTACK
País: Japão
Episódios: 12
Duração: 25 min
Gênero: Comédia / Terror / Mistério


O tema "vampiro que, por alguma razão, ajuda os humanos, mas ainda mantém seu lado sombrio e misterioso" não é exatamente original, e tem sido utilizado com uma certa freqüência em animes (Hellsing, Vampire Hunter D, Blood). Nightwalker é mais uma obra que bebe nesta mesma fonte, e conta a história de Tatsuhiko Shido, proprietário de uma agência de detetives especializada na investigação de casos inexplicáveis pela lógica humana. Shido é uma pessoa sem passado, e suas únicas lembranças se relacionam ao misterioso Cain, a pessoa responsável por sua transformação em vampiro. Portanto, Shido é o supracitado "vampiro que, por alguma razão, ajuda os humanos, mas ainda mantém seu lado sombrio e misterioso".

Shido é um vampiro sedutor e "boa praça", e caça vampiros e monstros à noite, auxiliado pela sedutora Yayoi Matsunaga, uma bela mulher de cabelos longos. Além de parceira nas caçadas noturnas, Yayoi é responsável pela recuperação de Shido após as batalhas, fornecendo um pouco de sangue para o companheiro. Shido espera que estas batalhas contra os monstros da noite (os "breeds") possam, de alguma maneira, ajudá-lo a recuperar as lembranças perdidas...


Sinceramente, comentar este tipo de anime é desanimador. Apesar de alguns lampejos de criatividade, como em certas seqüências violentas repletas de sangue e pessoas mortas, Nightwalker é um anime que não acrescenta absolutamente nada à vida de ninguém, nem mesmo diversão. A história começa bem, apesar de alguns clichês, passando a falsa impressão de que existe um lampejo de vida por trás da história batida.

Infelizmente, isto não ocorre. Fica até difícil enumerar a quantidade absurda de clichês utilizados em Nightwalker: temos o vampiro com crise de consciência, as malditas coincidências, o alívio cômico (na forma da ridícula diabinha verde Guni), as soluções constrangedoras. E não podemos nos esquecer do enredo "pseudo-profundo", com questões sobre um tal "Amanhecer Dourado" e o surgimento de uma "Nova Era", tão ou mais execráveis do que as pífias razões pelas quais um certo personagem da série Nazca justificava a destruição do mundo como forma de salvá-lo... afff!!



Com um roteiro furadíssimo, animação meia-boca, personagens inconsistentes e muitas incoerências (como um bebê pode ser gerado e nascer em questão de poucos dias?), Nightwalker foi uma decepção completa. Salva-se apenas pelos empolgantes episódios iniciais, pelo clima convincente de terror em algumas partes e, ainda, por tocar de leve na questão da homossexualidade masculina. Pouco para uma série que prometia muito mais.


Marcelo Reis


 

2 comentários:

  1. falta aquela parte em que alteraram o design de um personagem por completo no espaço de meia duzia de episódios.tive mesmo de perguntar se era o mesmo gajo que alí estava

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehe, tem razão, tinha até me esquecido disto! :)

      Excluir