sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Ninja Scroll (Movie)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 08/08/2004.

Alternativos: Jubei Ninpucho
Ano: 1993
Diretor: Yoshiaki Kawajiri
Estúdio: Madhouse / Toho
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 94 min
Gênero: Aventura / Fantasia / Violência


Obra muito conhecida entre os brasileiros, Ninja Scroll foi um dos primeiros animes distribuídos em VHS em nosso país, numa época em que o BAC (Brasil Anime Clube) era praticamente o único distro nacional, e a expressão "anime" ainda não era muito difundida. Para a maioria das pessoas, o que hoje conhecemos como "anime" era simplesmente chamado de "desenho japonês".

Para um público acostumado a obras de animação relativamente assépticas, com pouca ou nenhuma violência explícita e nenhuma referência a sexo ou algo parecido, Ninja Scroll foi um belo de um murro na boca do estômago. Com cenas de nudez e sexualidade quase explícitas, além de mortes violentíssimas (com direito a muito sangue e pedaços de corpos voando para todos os lados), Ninja Scroll marcou de forma indelével a mente de milhares de jovens brasileiros e foi, sem sombra de dúvidas, uma das obras que mais contribuíram para a popularização dos animes em nosso país.

Tudo começa com o extermínio da população da Vila Shimoda, aparentemente dizimada por uma peste fulminante. Alguns membros da elite suspeitam que a peste possa ter sido causada de propósito e, por esta razão, a Equipe Ninja Koga é recrutada para investigar o problema e descobrir o que realmente aconteceu na Vila Shimoda. Durante esta investigação, um encontro com sangüinários e demoníacos assassinos causa um verdadeiro massacre entre os membros da Equipe Koga. Kagero, uma bela "kunoichi" de personalidade forte e que também trabalha como provadora de venenos, sobrevive ao ataque, mas o destino que a aguarda é pior que a morte imediata.

Enquanto isto, o protagonista da história, o ninja mercenário Jubei Kibagami, acaba de cumprir com sucesso mais uma de suas missões. Após se perder durante a viagem, Jubei resolve pedir informações a um indivíduo nada amigável e de aparência assustadora. Os eventos que se seguem envolvem Jubei em uma trama que atinge os mais altos escalões do poder japonês, à época em que o Xogunato Tokugawa acabara de se instalar no país. O surgimento dos Oito Demônios de Kimon dão um toque sobrenatural à trama, com personagens que parecem ter vindo diretamente do inferno.


Ninja Scroll é uma obra com a cara de seu diretor e desenhista de personagens, Yoshiaki Kawajiri, com características típicas de outros animes de sua autoria, como Wicked City e Biohunter: personagens com traços expressivos e marcantes, presença de entidades demoníacas, mortes sangrentas e cenas de forte apelo sexual. O traço de Kawajiri é um detalhe interessante em suas obras, pois apesar de singular e muito agradável aos olhos, possui um efeito colateral: as características faciais de seus personagens sempre entregam quem é bom ou mau dentro da história.

Apesar de produzido em uma época na qual a computação ainda não havia tomado de assalto a produção de animes, Ninja Scroll não deixa absolutamente nada a dever na qualidade de animação, mesmo se comparado com obras mais recentes. Isto se torna ainda mais digno de nota se levarmos em consideração que se trata de um anime repleto de cenas de ação. A Madhouse, sempre ela, dá mais um "show" de competência, criando seqüências inspiradíssimas e com animação absurdamente fluida.

Analisando com frieza, a grande popularidade de Ninja Scroll no Brasil à época em que apareceu por aqui talvez tenha acontecido mais pela falta de animes diferentes no mercado brasileiro do que por suas qualidades intrínsecas. É um anime que merece ser visto pelo visual e pelos combates sangrentos, mas que possui uma história absolutamente chocha e repleta de situações e personagens clichês. No fundo, o enredo de Ninja Scroll não é muito superior ao de vários filmes "Z" já exibidos no "Força Total" da Band. Vale citar, no entanto, a coragem em adicionar um vilão principal (Himuro Gemma) que é abertamente bissexual. Ousadia é isto aí!



Ninja Scroll não é uma obra ruim mas, exceto pelas fantásticas cenas de lutas e mortes sangrentas, não possui características que o transformem em um anime realmente memorável. É, sem sombra de dúvidas, um bom anime de ação, mas nada além disto, e deve ser assistido com esta idéia em mente.


Marcelo Reis


Nenhum comentário:

Postar um comentário