sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Seikai no Senki (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 19/10/2002.

Alternativos: Banner of the Stars, Battle Flag of the Stars
Ano: 2000
Diretor: Yasuchika Nagaoka
Estúdio: Sunrise
País: Japão
Episódios: 13
Duração: 25 min
Gênero: Drama / Romance / Sci-Fi


Após o enorme sucesso de público e crítica obtido por Crest of the Stars (Seikai no Monshou), Sunrise e Bandai Visual uniram forças mais uma vez para a produção de Seikai no Senki, anime que dá seqüência à saga de Jinto e Lafiel. Seikai no Senki também é baseado na obra escrita pelo genial Hiroyuki Morioka. Para se ter uma idéia da importância desta saga e de seu autor entre os japoneses, basta dizer que Hiroyuki Morioka é considerado o salvador do gênero "épico espacial", tão desgastado e mal aproveitado nos últimos anos.

A história de Seikai no Senki começa 3 anos após o final de Crest of the Stars. O império Abh prepara uma retaliação massiva contra um ataque feito pela Aliança das Três Nações sobre a capital do Império, Lakfakalle. Lafiel está em fase final de preparação para comandar o Destroyer Barsroil na batalha sangrenta que se anuncia. Entre os tripulantes, logicamente, encontra-se nosso velho conhecido Jinto Lin, agora um dos pilotos da Barsroil. Mais maduros e ainda muito unidos, Jinto e Lafiel precisarão lutar a cada instante pela própria sobrevivência em meio ao aterrorizante campo de batalha próximo ao planeta Aputtiku.

A primeira coisa que chama a atenção em Seikai no Senki é a qualidade visual. Para quem achava Crest of the Stars incrível, podem preparar-se para pegar o queixo no chão! ^_^ Seikai no Senki é impressionante na parte visual, e a trilha sonora clássica continua dando o clima exato para as cenas e situações que aparecem. Os personagens e a história, claro, continuam sendo as atrações máximas. Vários novos personagens interessantíssimos e nada caricatos aparecem em Seikai no Senki, merecendo destaque a tripulação principal da Barsroil que, além de Jinto e Lafiel, é composta por Samson, um humano bem humorado e chegado numa bebida; Ekriel, uma bela Abh de bom coração mas sem papas na língua; e Sobarsh, piloto de espírito mais jovial e menos lógico que a maioria dos Abhs. Os gêmeos Neiles e Neffei Bibos, comandantes da frota de defesa de Aputtiku, são um show à parte!


Apesar de ainda bem focada no relacionamento de Jinto e Lafiel, a história de Seikai no Senki é mais direcionada à guerra que se desenrola, e é ainda mais interessante que a de Crest of the Stars, com batalhas cuidadosamente planejadas, que passam a sensação de se estar dentro de um jogo de estratégia.

O desenvolvimento da história é excelente! Sem cair na armadilha do sentimentalismo fácil ou dos famigerados clichês, Seikai no Senki é um anime bem complexo, no qual mesmo as situações mais cômicas possuem um humor sutil e refinado. As batalhas são impressionantes e cruéis, e o bicho pega para valer nestas horas... pode preparar o seu coração, pois algumas delas são extremamente dramáticas.

Mas, hehehe, o que seria desta saga sem Jinto e Lafiel? ^_^ Como eu disse anteriormente, ambos estão mais velhos e maduros, mas a personalidade de ambos permanece intacta. Lafiel continua sendo aquele delicioso poço de lógica pueril e de espírito (quase) inabalável, e Jinto, o seu contraponto emocional. Quando a insegurança bate do lado de Lafiel, Jinto segura as pontas com seu otimismo e bom humor; quando ocorre o inverso, é a vez de Lafiel salvar a situação com sua mente analítica. Mais importante é sentir, em olhares e comentários sutis, que a ligação entre ambos está ainda mais forte.



Seikai no Senki é uma série fantástica, com um equilíbrio excelente entre situações dramáticas, cômicas e de ação, e na qual o universo complexo criado por Hiroyuki Morioka é muito bem explorado. Uma obra-prima, sem dúvida, e, em minha opinião, superior a Crest of the Stars. Que venha Seikai no Senki II!

OBS: Mais uma vez, não parem antes dos créditos finais do último episódio acabarem! ^_^


Marcelo Reis


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário