sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Sentimental Journey (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 13/05/2007.

Ano: 1998
Diretor: Kazuyoshi Katayama
Estúdio: Sunrise
País: Japão
Episódios: 12
Duração: 30 min
Gênero: Drama / Romance / Shoujo


Este é um anime com uma sinopse facílima de ser feita, pois uma frase logo no início de cada episódio resume bem o espírito da série: "Juuni toshi, juuni shoujo monogatari", algo como "12 cidades e a história de 12 garotas". O detalhe que não aparece nesta frase, mas que está bem explícito no título do anime, é que cada história diz respeito a uma garota com algum problema sentimental mal resolvido no passado, o que acaba afetando sobremaneira o dia-a-dia de cada uma delas. Como era de se esperar, cada um dos 12 capítulos mostra justamente a tal "jornada sentimental" destas garotas para entender e aceitar o seu passado e, desta forma, ter uma vida mais plena e completa nos dias que virão.

É interessante assistir a um shoujo clássico produzido pela Sunrise, já que este estúdio está quase sempre associado ao universo Gundam ou outros animes de mechas e super-tecnologia, como Gasaraki, Argento Soma e Planetes. A Sunrise não decepciona nos quesitos técnicos, e apesar de um ou outro episódio com muitas cenas paradas ou animações pra lá de toscas, no geral a série é visualmente belíssima, com uma representação muito fiel dos cenários de cada cidade mencionada e um desenho de personagens muito agradável. Quem já viu a série "To Heart" deve ter percebido como as garotas daquele anime possuem um traço bonito, e o mesmo ocorre em "Sentimental Journey", já que a desenhista de personagens de ambas as séries é a mesma, Madoka Hirayama. É interessante mencionar ainda o bom trabalho de direção de Kazuyoshi Katayama, pois apesar de não ser exatamente um especialista em shoujos, conseguiu dar um bom tom a quase toda a série, injetando humor e melancolia nas doses certas e imprimindo um ritmo bem cadenciado sem deixar a narrativa monótona.

Todas as garotas retratadas neste anime sofreram algum tipo de desilusão amorosa, mas nem sempre o problema atual está diretamente ligado à perda de um amor mas, sim, a algum tipo de cicatriz sentimental que surgiu naquele momento e que não se fechou. Podemos citar Akira Endo, uma bela garota de Nagasaki e prodigiosa violinista que decide nunca mais tocar o instrumento. O motivo para tal decisão? Ela se entusiasmou com o instrumento após ouvir elogios de um colega de escola, e sempre praticava com afinco para poder tocar cada vez melhor para ele. Quando seus sentimentos pelo rapaz vão ficando mais fortes, ele é transferido para outra escola e Akira perde a motivação para continuar, ficando meio desnorteada. Um alemão mais velho gruda nela como um carrapato, fazendo de tudo para que a garota não desista de seu futuro brilhante... mas, antes, é preciso fechar aquela cicatriz do passado.


E temos muitos casos bem diferentes: uma garota de Niigata que é vocalista de um grupo de rock mas não consegue escrever canções de amor em função de uma desilusão com um antigo companheiro de banda. Ou outra jovem prestes a morrer na cama de uma clínica e que só pode viver o amor através dos poemas que escreve. E ainda uma linda moça, fera no arco-e-flecha mas que está com o equilíbrio mental abalado por não conseguir abandonar os "pensamentos mundanos", e por aí vai.

"Sentimental Journey" é baseado em "Sentimental Graffiti", um "date simulation game" produzido pela NEC Interchannel para o Sega Saturn em 1992, jogo de sucesso que chegou a ser lançado no PC e PSX, além de gerar uma continuação para Dreamcast e PC. De certo modo, "Sentimental Journey" é uma série que fica prejudicada justamente por seu caráter episódico, já que cada história começa e termina dentro de cada capítulo. Por esta razão, o espectador não tem muito tempo para se afeiçoar para valer às personagens ou mergulhar para valer em cada história. Além disto, há um desequilíbrio notável na qualidade de cada história. As histórias da violinista e da garota do arco-e-flecha, por exemplo, são quase impecáveis, mas outras, como um episódio com um rapaz e uma garota que são gêmeos e outro que fala sobre uma escola assombrada são bobinhos e com enredos que não dizem a que vieram. E não deixa de ser interessante que um anime tecnicamente tão bom tenha uma trilha sonora bem esquecível. O único episódio com músicas realmente boas é o primeiro, o da garota violinista, mas este não conta na balança, já que toda a trilha usada neste capítulo é de autoria do compositor alemão Johannes Brahms, e não de Tomoyuki Hamada, responsável pelo restante da série.



"Sentimental Journey" é um anime que fica no meio do caminho. Nunca chega a ser excelente ou horrível, nunca empolga para valer nem chega a ter um ritmo insuportável. É apenas um anime interessante e gostoso de ver que peca pela falta de algo mais marcante. A série entretém, diverte, mas some da cabeça rapidinho após chegarmos ao final.


Marcelo Reis


 

2 comentários:

  1. Gostaria de saber onde consigo encontrar esse anime pra baixar...

    ResponderExcluir
  2. Não sei se "Sentimental Journey" foi traduzido para português por algum fansubber, mas em inglês é bem tranquilo de encontrar na internet.

    ResponderExcluir