quinta-feira, 16 de outubro de 2014

King of Bandit Jing (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 18/09/2004.

Alternativos: Ou Dorobou Jing, Jing: King of Bandits
Ano: 2002
Diretor: Hiroshi Watanabe
Estúdio: Studio DEEN
País: Japão
Episódios: 13
Duração: 23 min
Gênero: Aventura / Comédia / Shoujo




King of Bandit Jing, ou Oudorobou Jing, foi criado por Kumakura Yuichi e veio a ser visto pela primeira vez em um mangá publicado pela Kodansha, numa série de 7 volumes. Estes volumes foram levados à TV em 2002 pelo Studio Deen, em uma série composta por 13 episódios, e mais uma seqüência chamada "King of Bandit Jing in Seventh Heaven", composta por 3 OVAs (??.. ainda está em andamento), produzidos em 2004.

A história gira em torno de Jing, um jovem de 14 anos, metido a besta como só ele, forte e consciente desta sua força, destemido, corajoso, incansável e com um coração enorme. Mas nem pense que é um "Robin Hood da vida". Ele apenas é um bandido um tanto incomum, com valores um pouco diferentes dos demais (como só dizer a verdade, por exemplo, mesmo que isto lhe custe meio caro às vezes).

É óbvio que não posso me esquecer do seu companheiro Kir, uma espécie de papagaio (sei lá!??) que fala muito, é extremamente mulherengo e chegado a dar beijinhos na mulherada (o que mais se ouve dele é "falta mulher", por um motivo óbvio). Mas nosso colega tagarela e mulherengo, ao comando de Jing (hehe, às vezes à força, mesmo!) se transforma em uma arma poderosa de destruição. Como?? ^^ Oras, use a imaginação!




Dividido em pequenas sagas ("A cidade dos bandidos", "O navio fantasma", "Adonis, A cidade do tempo", "A garota da Cidade das Cores", "Rivaiva, a Capital da Imortalidade", "Porvola, as criaturas explosivas", entre outras), o anime não possui uma história concreta, e parece mais uma grande viagem sem destino. Isto poderia ser um ponto fraco em relação ao anime mas, pensando bem, até que este aspecto não desabona o anime como um todo. Afinal, quem disse que é necessário ter início quase épico, um sequencia recheada com reviravoltas e um final de deixar a boca aberta de espanto, para um anime ser bom? Uma historinha nos moldes convencionais também funciona, e muito bem pra dizer a verdade.

Personagens dos mais incríveis vão aparecendo no decorrer da série: robôs, bruxas, gnomos, monstros, cada um com participação efetiva em seu episódio. Mas alguns chamam mais a atenção, como: Postino, que, como o nome diz, é uma espécie de carteiro (ou seria melhor mensageiro?), que sempre aparece nos episódios (em quase todos eles pra dizer a verdade), esclarecendo alguns pontos ou simplesmente trazendo notícias a Jing. 

A dublagem dos personagens principais, a cargo de Saiga Mitsuki (Jing) e Nakao Ryuusei (Kir), ficou muito bem feita. Também merece destaque o trabalho de Miki Shinichirou (Postino), Shiina Hekiru (Fino), Horie Yui (Mirabelle), Tamura Yukari (Rose), Kurata Misayo (Vermouth) e Gouri Daisuki (Vodka)... Opa, não tô falando de bebida nenhuma, ein?!

A continuação da série (que estou acompanhando), King of Bandit Jing in Seventh Heaven, também é seguida por igual qualidade, tanto visual como musical. Uma viagem ao mundo dos sonhos dentro de uma prisão chamada "Seventh Heaven", na qual Jing conhece outros personagens intrigantes e uma nova história se desenvolve.



Só a animação IMPECÁVEL do Studio Deen já é um excelente pretexto para você assistir a este anime. Em seguida, com a mesma qualidade, vem a trilha sonora: "Shout It Loud" e "Shar ra", respectivamente os temas de abertura e encerramento, e ambas cantadas por Scudelia Electro, são uma verdadeira viagem pelo mundo do rock. São canções simplesmente imperdíveis, e o tema de encerramento lembra muito as baladas dos "Beatles". A trilha sonora é, realmente, um show à parte. Com tantos pontos fortes, King of Bandit Jing merece ser visto e apreciado.

Cátia Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário