quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Peace Maker Kurogane (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 24/09/2005.

Alternativos: Peacemaker
Ano: 2003
Diretor: Tomohiro Hirata
Estúdio: Gonzo
País: Japão
Episódios: 24
Duração: 30 min
Gênero: Aventura / Drama / Histórico





Antes de iniciar vamos falar um pouquinho de história do Japão. O Shinsengumi, ou seja, os famosos Lobos de Mibu, realmente existiram, da mesma forma que Gensai Kawakani (personagem no qual foi inspirado Rurouni Kenshin), um de seus grandes rivais. Ambas as histórias foram baseadas em fatos reais, obviamente que com algumas modificações, para que eles se tornassem mais aceitáveis e pudessem ser transportadas para a tela de forma convincente e atrativa, pois do contrário as narrativas seriam apenas um mar de sangue.

Numa época conturbada, onde o Japão renascia como uma grande nação, descobrindo as vantagens do mundo moderno, os samurais se opunham de forma ferrenha a estas mudanças repentinas. O Shogunato estava decaindo e, com ele, seu ultimo Shogun (equivalente ao Senhor Feudal da nossa era colonial). Os imperialistas lutavam com todas as forças para eliminar a resistência que surgia em todo país, devido ao que eles chamavam de governo corrompido. É nessa época conturbada e sangrenta que se passa esta história.

Conta as façanhas de um jovem para entrar no esquadrão Shinsengumi de modo a vingar a morte de seus pais, os quais viu sendo assassinados friamente. Tetsunosuke Ichimura carrega consigo um fardo pesado para os seus ainda mal vividos 15 anos, mas a vida e o destino de Tetsu-Kun não serão decididos por ele: é só prestar atenção no episódio 5 da série. E com ele segue seu irmão mais velho, Tatsunosuke Ichimura, que acaba por embarcar nesse desejo meio de "gaiato", pois quer apenas ajudar seu jovem irmão: ele não se interessa por lutas. 

A história se resume a isto mesmo. Bom... mas não acabou não! PeaceMaker Kurogane não merece mérito só pelo seu enredo que, apesar de soar meio bobo, se mostra intrigante com o decorrer da série mas, também, pelos seus incríveis personagens principais, que merecem ser citados um a um:

Saitou Hajime é um idiota! Ehehehe, anteriormente faço um elogio e depois saio com essa. Por quê? Oras.... quem assistiu Rurouni Kenshin, viu que Saitou era um homem sério, incapaz de demonstrar emoções, bravo, briguento e cheio de estratégias. Nesta série ele aparece como um calmo e cômico soldado, sangüinário sem dúvida, mas que produz algumas das cenas mais engraçadas da série.

O mais famoso membro do Shinsengumi, Souji Okita, levantou uma espada pela primeira vez com apenas 9 anos. O comandante Hijikata sofre muito por achar que cometeu o maior de seus erros ao deixar que ele se corrompesse e entrasse no esquadrão. Okita era excelente espadachim, se tornou capitão de uns dos esquadrões do Shinsengumi e, mesmo com ares femininos, teve que muitas vezes ser controlado por seus colegas devido à sua mudança de atitude, da calma e gentileza habitual para um tipo de monstro que mata sem piedade. Ele tem um bicho de estimação no mínimo estranho: o porquinho Saizo, que nos faz dar umas belas gargalhadas, contrastando com o excesso de sangue produzido por seu dono.

Mais um pouco de história: Okita também é baseado em um personagem real, que viveu e lutou durante anos contra os imperialistas. Mas, segundo conta a história japonesa (as famosas "más línguas"), Okita era, na realidade, uma mulher que entrou às escondidas no grupo e nunca foi reconhecida. Tamanha era sua destreza com a espada que, apesar de seu ar feminino, acabou naturalmente se passando por um homem. Mas seu final foi, de certa forma, meio trágico: apaixonou-se por seu oficial comandante e morreu de tuberculose ainda jovem, e seu segredo só acabou sendo descoberto com sua morte.






O assassino Yoshida e o seu jovem aprendiz Suzumu formam o par mais estranho do anime. Yoshida é o diabo em pessoa: as cenas finais do anime demonstram bem o que estou falando... nem mesmo Okita é capaz de detê-lo em seu ímpeto por sangue. Já Suzu-kun tem os mesmos 15 anos de Tetsu, mas é completamente diferente dele. É um jovem amadurecido brutalmente devido à luta sem trégua entre os que buscam o poder. Seu único intento é servir seu mestre e caçar as cabeças dos Lobos de Mibu. Ele produz uma das cenas mais dramáticas do anime, tentando proteger seu mestre. Sim, "uma das cenas", pois existe outra: leia com atenção a seqüência desta "review".

Os irmãos "shinobi" (termo usado para ninja) Susumu e Ayumu Yamazaki certamente são os mais belos exemplos da vida de um ninja. Os "shinobi" seguem cegamente as ordens que lhe forem dadas, a eles não são oferecidas oportunidades de questionar, são maquinas de matar sem sentimento, sem amigos e sem família. Apesar de serem irmãos, Susumu e Ayumu nunca trocaram uma palavra como tais. Fazem de suas missões suas vidas, mas a bela Ayumu certamente é mais forte que seu irmão. No anime, os irmãos "shinobi" são assassinos que trabalham disfarçados para conseguir informações para o Shinsengumi, mas algo terrivelmente errado acontece em uma das missões envolvendo Ayumu, e esta certamente é a cena mais triste que já assisti em um anime, não devido "a uma cena" chocante mas, sim, ao desenrolar do anime a partir do episódio 19 (simplesmente imperdível!).

Mais um pouco de história: Susumu realmente existiu. Ele trabalhou para o Shinsegumi e foi responsável por encontrar um dos chefes da facção imperialista Shuntarou Furutaka que estava disfarçado como dono de uma loja de objetos de segunda mão e que, depois de torturado brutalmente por Hijikata, acabou entregando os planos dos imperialistas, desencadeando o incidente da Hospedaria Ikeda.

Esses são os personagens principais. Juntando a eles temos os líderes do Shinsengumi, o Chefe Kondou e os três comandantes: Serizawa, Hijikata e Yamanami. Os que mais aparecem são os 2 últimos: o Comandante Demônio, como é conhecido Hijikata Toushizou, que nutre por Okita o que eu (pessoalmente) chamaria de algo mais que amizade (nada me tira da cabeça que ele sabe que Okita não é homem) e o calmo ao extremo Yamanami-san. 

Mais história: o Shinsegumi, na realidade, se iniciou em 1863. Quando foi decidido que o Xogum Ieyasu Tokugawa viajaria para Kyoto e precisaria de um grupo para protegê-lo, muitos se juntaram a ele: assassinos, ladrões e muitos homens de respeito. Essa tropa de proteção chamou-se Roushitai. Mas, após muitos desentendimentos durante a viagem, traições de membros, entre outros acontecimentos, o grupo inicialmente composto por 240 homens reduziu-se a apenas 13 pessoas que ficaram em Kyoto, pois os outros retornaram. Eram exatamente os grupos que lutavam ao lado de Kamo Serizawa e Isami Kondou. Kamo resolveu trabalhar para o Comissionário Militar de Kyoto, uma organização criada pelo Xogunato para manter a ordem. Assim nascia o mais temido grupo da história do Japão, o Mibu-mura Roushingumi.

Tiveram seu valor reconhecido tempos depois, em uma passagem que só é mostrada nos OVAs de Rurouni Kenshin, a invasão do feudo de Choshuu, e só a partir daí o imperador lhes deu o nome de Shinsengumi. Assim, o grupo de 13 homens passou a ser uma tropa de mais de 200 combatentes. Um ano depois destes acontecimentos, houve o famoso incidente da Hospedaria Ikeda, no qual o Shinsengumi, após uma trajetória de vitória e sangue, é acompanhado por uma multidão de pessoas espantadas ao ver todos os homens retornando triunfantes e cobertos de sangue. Esse incidente colocou a tropa e seus comandantes no "hall" do estrelato absoluto, sendo regiamente recompensados por suas ações e serviços prestados. Mas o Shinsengumi estava fadado a desaparecer com o Xogunato, e foi o que aconteceu a partir de 1868. Apesar da história do Shinsengumi se confundir com a própria história do Japão, muito ainda deve ser dito para que ela seja completamente finalizada.



Hehehe... falei muito sobre história, né? Mas vamos então à parte técnica: composto por 24 episódios produzidos pelo Gonzo Digimation em 2003, possui uma coleção de cores bem sombrias em certos episódios devido a algumas situações, mas mudam para um tom mais alegre em outras. O "chara design" é clássico: olhos grandes, rosto fino e pessoas muito magras, mas mesmo assim extremamente fortes. Bah...mas não tem muito mais o que falar, Peacemaker Kurogani é ótimo! Observação final: Peacemaker é o mesmo que "defensor da paz", mas se o anime é tão sangrento, por que esse título? Assista e irá compreender as palavras de Tetsunosuke logo nos episódios iniciais.

Cátia Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário