quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Princess Arete (Movie)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 15/11/2004.

Alternativos: Ariite Hime
Ano: 2001
Diretor: Sunao Katabuchi
Estúdio: Beyond C. / Studio 4oC
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 105 min
Gênero: Drama / Fantasia





Baseado na história original de Diana Coles, "Adventures of Princess Arete", publicada pelo grupo Women's Place, Princess Arete tem uma história estranha, pelo menos na parte de criação e produção, pois vários estúdios se associaram para produzi-lo: Studio Live, Studio Kockpit, Studio Moo, Tamazawa Animation House, Production I.G., Animeworld Osaka, Anime Spot, Double R, Nakamura Production, Zero-G Room e Garan. Como se isso não bastasse, ele foi animado por um outro studio, o 4oC, também numa associação entre Tanaka Eiko e Fukuyama Ryouichi, e foi ao ar em 2000, dirigido por Katabuchi Sunao. A esta altura você já deve estar se perguntando "por que tantos dados técnicos? Porque é no mínimo curioso e incomum tantas "associações" para o lançamento de um único movie. Uma possibilidade poderia ser seu alto custo, mas deixaremos esses detalhes de lado, afinal coloquei apenas por curiosidade mesmo, uma informação adicional.

O enredo se baseia num livro de histórias infantis que soa meio sem criatividade, mas resolvi abrir minha mente e não ser muito crítica. A história da princesa Arete parece conhecida: "... uma jovem princesa que vive trancafiada numa torre sem ter contato com ninguém e que costuma escapar por uma passagem secreta para visitar a cidade, mas em uma de suas escapadas é pega, e como ninguém a conhece é confundida com uma pessoa qualquer e levada à presença do rei".

Ela está prometida a qualquer cavaleiro que demonstrar ao rei sua coragem e lhe trouxer "a verdadeira magia". Diversos cavaleiros trazem objetos mágicos e ganham a confiança do rei, mas não da princesa, até o surgimento de um mago que quer levar a princesa para seu castelo. Desejo que, devido às circunstâncias, é concedido. E, a partir daí, começam as aventuras de uma princesa travessa, que renega o próprio trono em busca de liberdade para ela e para todos que a cercam.




Além da própria Arete, interpretada por Kuwashima Houko, temos outros 3 personagens importantes no desenrolar da história. Boax (Koyama Takeshi), o mago frustrado que elege Arete sua pretendente, não para casamento mas, sim, para ser sua prisioneira, e a trancafia em uma masmorra no seu castelo decadente. Perante os outros tenta ser altivo, mas em seu pobre castelo é apenas um velhote cansado e rabugento que, para amedrontar os moradores da vila que rodeia seu castelo, deixa-os quase sem água. Temos também a determinada Ample (Takayama Minami), que mora na vila próxima ao castelo de Boax e trabalha para ele fazendo sua comida, ela tenta salvar Arete de seu cativeiro mas não consegue. E, finalmente, temos Grovel (Numata Yuusuke), o serviçal de Boax, na verdade um sapo que foi moldado à forma humana para servir de saco de pancadas do velho mago.

Pode parecer estranho, mas a história é assim mesmo, baseada na frustração das pessoas: primeiramente de Arete que, do início até o meio do "movie", é a encarnação da "pobre menina rica"; de Boax, preso a um passado que nem sua magia pode trazer de volta; e de Ample, uma camponesa que tenta lutar contra seu futuro. Mas até que o final agrada, pois consegue encerrar a participação dos personagens de uma maneira convincente.

Voltando à parte técnica, o arranjo musical, à cargo de Senjo Akira, foi muito bem elaborado. Das poucas músicas existentes, duas se apresentam como as melhores: a de encerramento, "Golden Wings" de Onuki Taeko, e "Krasno Solntse" de Origa. As outras são apenas toques de fundo, gostosinhas de ouvir.



Apesar de não ter nada de fantástico em sua história, o "color design" nas mãos do competente Hayashi Akiko, que usou e abusou de tons pastéis e sombras e deu ao anime um ar bem épico, faz valer a pena ver Princess Arete.

Cátia Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário