quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Scryed (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 11/06/2003.

Alternativos: s-CRY-ed
Ano: 2001
Diretor: Goro Taniguchi
Estúdio: Sunrise
País: Japão
Episódios: 26
Duração: 23 min
Gênero: Aventura / Drama / Sci-Fi



S.cry.ed estreou na TV Japonesa em 4 de julho de 2001, composto por 26 episódios produzidos pela Sunrise. Tem um pouco de tudo: ficção, ação, romance e fantasia... mas, afinal de contas, um enredo onde pessoas com super poderes enfrentam outras que as recriminam não é novidade nenhuma, certo? Mas, calma... leia o que se segue e tome suas próprias conclusões.

A história se passa em um mundo onde lutar é uma questão de sobrevivência. Os Alters, pessoas com poderes estranhos, são uma minoria discriminada mas poderosa. Se você acha que eles são calminhos e ficam quietinhos em seu canto, hehehe, está muito enganado! Mas será que os Alters não seriam realmente uma ameaça que deve ser controlada? A resposta mais correta seria: quem sabe?! (esclarecedor, não acha? =p)

A organização HOLY recruta os "Alters" para servirem o governo. Neste momento surge um dos personagens principais da trama, Kazuma, um Alter nativo (em outras palavras, não recrutado pela Holy), que possui um estranho poder: é capaz de desenvolver uma espécie de braço metálico. Kazuma é um mercenário e um "faz-tudo"... afinal, ele tem que sobreviver de alguma forma. ^^

Logo em seguida aparece o "sempre simpático" Ryuhou, um membro de elite da HOLY que tem uma participação significativa dentro do anime. Sério, emburrado, incapaz de demonstrar qualquer sentimento, extremamente poderoso e consciente disso... um mala sem alça! Quando se encontram, uma coisa óbvia acontece: Kazuma e Ryuhou se tornam grandes rivais.




Mas uma coisa deve ser dita: nosso "querido e totalmente amável" Ryuhou não está sozinho... na verdade, está com a única pessoa capaz de suportar seu humor, a sempre alegre e sorridente Sherrice Adjani, que possui um poder incomum, quase um dom, que não se manifesta até o final da série (hehe... vai ter que assistir se quiser saber qual é!). Até lá, a única coisa que ela pode oferecer são palavras de conforto e incentivo... claro, além de carregar um vagão por Ryuhou! ^_^

Uma das poucas histórias que conheço que possuem um narrador... na verdade, uma narradora. Kanami, uma rapariga de 8 anos, uma Alter nativa (sem trocadilho... foi sem querer, juro! ^^"), que tem visões em seus sonhos, principalmente envolvendo o seu quase irmão Kazu-kun.

A única coisa que realmente agrada em S.cry.ed é a trilha sonora. Rockless Fire e Drastic my Soul (respectivamente o tema de abertura e encerramento) são ótimas, tem um toque que lembra vagamente um faroeste. Mas, pensando bem... o que o faroeste tem a ver com uma história de ficção???? 

Na minha opinião, um anime chato, cheio de conversa, lotado com os maiores "clichês" e "colas" da história dos animes. Só vale a pena se você ignorar totalmente a história e se centralizar nas lutas, que são a única coisa realmente boa e bem feita. Mas, ainda assim, 2 pessoas destruírem vários esquadrões armados até os dentes, com outros Alters lutando contra, sem ajuda de ninguém e ainda por cima na maior moleza, blá... não dá pra engolir! Mesmo sendo escrito pelo genial Hajime Yadate, a série não se salva. Tecnicamente, o anime é perfeito, mas a história... sem maiores comentários.



Não vale a pena perder meu tempo falando sobre o X-Men... perdão, Flame of Recca... peraí, qual era mesmo o nome???! Heheh ^^" ...desculpem a brincadeira, mas a mistura de animes foi tão grande que eu não resisti.

Cátia Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário