quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Terra E... (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 09/04/2010.

Alternativos: Toward the Terra
Ano: 2008
Diretor: Osamu Yamasaki
Estúdio: Minamimachi Bugyousho / Tokyo Kids
País: Japão
Episódios: 24
Duração: 24 min
Gênero: Sci-Fi / Drama / Aventura








A Terra foi devastada pelos humanos. 

Esse parece ser o enredo favorito de todos os mangakás que tratam do tema ficção e espaço, mas isso de recente não tem nada. Desde a criação dos primeiros mangás e animes em preto e branco, o futuro nefasto do planeta já vinha sendo criado e recriado com a destruição causada pelos próprios seres humanos. "Terra E...", publicado entre 1977 e 1980 e criado por Takemiya Keiko, já fazia alusão a isso. O mangá ganhou um filme em 1980 pela Toei Animation e uma série de 24 episódios para TV lançados em 2007 e dirigidos por Osamu Yamazaki que, apesar de não ser muito conhecido, dirigiu 2 episódios de Mushishi, Tokyo Revelation e Project A-KO. O anime foi produzido por uma associação dos Stúdios Minamimachi Bugyosho, Tokyo Kids, Aniplez, SKY e Mainichi Broadcasting System. 

Segundo conta a história, a Terra foi totalmente desgastada pelos humanos e, seguindo o caminho mais prático, nós, os humanos, abandonamos a Terra e fomos para o espaço tentar colonizar outros planetas, caminho bem mais simples que tentar reconstruir o planeta. No espaço, os seres humanos tentavam criar um ambiente parecido com o natural, mas temerosos de sua própria existência destrutiva, acabam passando o controle de ”tudo“ para um supercomputador chamado de ”Mother“, que interfere nas relações mais simples, inclusive no nascimento dos próprios seres humanos. Este computador vigia e separa as crianças, tratando-as como normais ou anormais, controla e manipula todos os sentimentos e emoções humanas, apagando suas memórias e lembranças, de forma que, através de experiências genéticas, ”um dia“ termine por conseguir criar o ser humano perfeito.

Com o passar do tempo, a humanidade dá um novo passo na evolução, fazendo surgir uma nova raça super poderosa: esses anormais passaram a ser denominados de MU. Os MU, inicialmente, são apenas aniquiladores, pois seus ditos ”poderes“ eram controlados através de suas emoções instáveis, tornando-os verdadeiras armas humanas. Mas um grupo liderado por um poderoso super-humano chamado Blue consegue fugir do extermínio: esses fugitivos reconstroem sua vida no planeta Naska. Com o tempo, passam a buscar aqueles que ainda não conhecem sua nova condição, e partem atrás dos MU que ainda não despertaram.





Parece estranho deixar nossas vidas nas mãos de um computador, mas pense bem. Até mesmo nos dias atuais, as emoções humanas são a grande causa dos problemas da humanidade. Sentimentos unicamente humanos como ciúmes, cobiça e medo são os grandes causadores de desastres e guerras. Seria até natural deixar um computador, uma máquina perfeita nos controlar. Esse tema já foi abordado anteriormente em outros animes, recentemente no longa de AppleSeed, onde os humanos foram recriados sem sentimentos negativos, dessa forma tornando a sociedade perfeita.

Com esse enredo, surge o personagem principal tanto da série como do "movie", o jovem Jomy Marquis Shin, que em breve enfrentará a ”Mother“ para fazer seu exame de maioridade, ou seja, ser examinado e assim ser classificado como normal ou anormal. Com ele temos Sam Houston (Wataru Hatano) e Swena Dalton (Yuki Masuda), seus 2 grandes amigos, ambos colocam um pouco de juízo na cabeça despreocupada de Jomy, que possui emoções instáveis e comportamento irrequieto, fazendo que com que se desconfie que ele não esta se adequando ao padrão de comportamento imposto pela Mother. Não existe propriamente um grande segredo, desde o primeiro episódio já se sabe que muitos acontecimentos importantes dependerão de Jomy, inclusive o grande sonho dos MU: agora escondidos dos humanos, eles desejam acima de tudo paz e, com isso, poder voltar para a Terra, uma jornada que promete não ser nada fácil, visto que eles são considerados uma ameaça aos humanos e a eles mesmos.

O "movie" produzido em 1980 é bastante fiel ao mangá e condensa a série. O final de ambos é o mesmo e deixa um aviso a todos, para que cuidemos melhor do nosso planeta. Pois se sobrevivermos a todas as previsões apocalípticas, teremos que lidar com o pior de todos os males: o egoísmo humano.



A trilha sonora é bastante razoável, durante os episódios pode-se ouvir cânticos sem acompanhamento algum, num coral de vozes muito agradável. Algumas baladas levemente românticas emocionam, principalmente o tema do segundo encerramento, ”This Night“, interpretado por Chemistry. Já o design da série se parece muito com o do "movie", existe uma diferença nas cores, mais claras e vibrantes, mas o interessante na animação é ver que as características básicas do mangá foram todas mantidas, não houve grandes alterações gráficas nos personagens, o que poderia ser um ponto alto, mas acaba se tornando uma falha. Visto que em várias seqüências, as imagens parecem estar paradas com o fundo se movimentando, lembrando as animações antigas e sem recursos gráficos, mas como a série é bastante recente, infelizmente percebe-se que não houve capricho algum no acabamento. Aquele que for assistir a esta série, não deve ser muito rigoroso com a animação, pois "Terra E..." é um bom anime para quem curte ficção.

Cátia Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário