quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Tokyo Babylon (OVA)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 08/11/2002.

Ano: 1992
Diretor: Koichi Chigira
Estúdio: Madhouse
País: Japão
Episódios: 2
Duração: 50 min
Gênero: Drama / Terror / Mistério



Se você quer entrar no mundo criado para Tokyo Babylon, tem que esquecer seus preconceitos, pois a história vai testar sua capacidade de aceitar situações fortes. Religião, homossexualidade e assassinatos são assuntos tratados de forma muito natural.

Trata-se de um anime produzido pelo grupo Clamp entre 1992 e 1994, com certeza uma de suas melhores histórias e constituído por 2 ovas e 1 filme (live-action), produzido 5 anos após o encerramento dos ovas (Tokyo Babylon 1999).

Misticismo, suspense e romance na dose exata povoam esse anime, que conta a história de duas famílias ricas, poderosas e rivais no Onmyouji (videntes, conselheiros, magos, não há uma definição que possa ser dada em uma só palavra), os Clãs Sumeragi e Sakurakamori, respectivamente bem e mal, luz e escuridão.


Alguns podem olhar torto para o relacionamento dos personagens principais, os gêmeos Subaru e Hokuto Sumeragi com Seishirou Sakurazuka que, incentivados por Hokuto, mantém um amor platônico, sem palavras ou atos escandalosos, a não ser pela própria Hokuto que, com certeza, é um dos personagens mais extravagantes do mundo dos animes. Escandalosa e desbocada, fala o que pensa e não mede esforços para ajudar o irmão e o namorado.

Com todo esse drama, rejeição e aceitação, juntamente com uma trilha sonora que lembra tristeza e dor, você pode achar que se trata de uma história romântica... aí é que você se engana! Com o desenrolar do anime, irá perceber que isso não altera o fato de Subaru ser o mais forte Onmyouji conhecido, capaz de usar suas técnicas sem qualquer restrição para resolver as mais diversas situações, principalmente encrencas nas quais se mete para ajudar os outros.


Apesar do amor existente entre as famílias rivais, se você está esperando um final tipo Romeu e Julieta, esqueça! Esta fantástica obra passa longe dessa armadilha. Morte e desilusão temperam um final totalmente imperdível, que renasce em X, buscando vingança! (...será?).

Mesmo que você não goste do gênero, assista, vale pela qualidade de animação do Clamp.
Cátia Nunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário