domingo, 23 de novembro de 2014

The Heroic Legend of Arslan (OVA)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 02/08/2005

Alternativos: Arslan Senki, The Heroic Legend of Arislan
Ano: 1991 a 1993
Diretor: Mamoru Hamatsu / Yoshihiro Yamaguchi
Estúdio: KSS / MOVIC / Kadokawa Shoten
País: Japão
Episódios: 06
Duração: 30 a 60 min cada
Gênero: Aventura / Fantasia / Medieval / Guerra




Arslan Senki foi lançado entre 1990-1995, totalizando 2 filmes e 4 OVAs. Produzido por Nagateru Kato e Yasuhisa Kasama, é baseado no mangá de Tanaka Yoshiki mas, infelizmente, o anime não possui um final.

Arslan Senki conta a saga do jovem príncipe Arslan e seus amigos em busca da restauração do reino de Palse. Em tempos antigos, dois reis lutavam numa única fronteira... pai e filho lutavam como se fossem inimigos, buscando a restauração de sua terra. O Rei Andragoras é um grande guerreiro que busca vencer seus inimigos apenas pela força, e Arslan, o jovem e virtuoso Príncipe, é adorado por todos por sua inteligência, força e simpatia.

Em uma batalha, o reino de Palse acaba sendo praticamente tomado pelos inimigos. O rei é capturado, e somente Arslan consegue escapar da morte certa, sendo salvo no ultimo segundo por Daryoon, seu amigo, protetor e sobrinho do principal general de Palse, que se sacrificou tentando proteger o Rei Andragoras. A partir dessa premissa, segue-se uma busca à procura de aliados para promover a restauração de seu reino e seu trono .


No caminho de Arslan surgem novos e fortes aliados, como Narsus, que acabou se tornando um ótimo conselheiro real; a bela Pharanguese, uma guerreira sagrada, que fez votos de lutar e proteger o "Crow Prince" Gieve, um companheiro enigmático e bom de briga, que morre de amores por Pharanguese, e muitos outros que vão surgindo no decorrer dos OVAs (Jaswont, Silvermask, Kharlan, etc).

Pouco conhecido no Brasil, Arslan Senki segue a mesma linha de "Record of Lodoss War", e realmente pode ser comparado a ele. A história, apesar de se passar em um mundo fictício, lembra muito a região da Índia, devido à caracterização dos personagens, trajes, o excesso de acessórios, numa exuberância que chama a atenção de qualquer um, devido ao requinte de detalhes.

O design da série de OVAs é muito bom, de um colorido diferente, ao qual não estamos acostumados. Não é tão vivo como o de Naruto, nem pálido como o de Lodoss... só assistindo pra se ter idéia, pois comentários não farão justiça à série.

A cativante presença de Arslan, numa mistura de simpatia, generosidade e humildade com a força e destreza de um príncipe, acabam deixando um "quê" no desenrolar da série, pois suas ações assemelham-se muito a atos reais. As conversas, atitudes, ações e reações do "Crow Prince" são controversas e dolorosas, sempre em favor do seu povo. Na série, essas cenas aparecem "tristes e belas" ao mesmo tempo, como "matar um aliado para evitar seu sofrimento e a angustia"... é apenas uma entre tantas cenas fortíssimas que causam impacto durante o decorrer dos OVAs. 

Nas mãos de um diretor irresponsável, a produção de "Arslan Senki" cairia na pieguice de mais um anime sobre guerras. As belíssimas cenas de batalha, heróis e vilões que surgem e desaparecem num relance defendo seus reinos, a amizade mostrada no seu nível máximo, lealdade a qualquer custo, tudo isto faz deste anime uma obra que merece ser vista.



Arslan Senki mostra que mesmo uma história já batida no universo da animação ainda pode ser original e nos surpreender. A única reclamação a ser feita não é contra o anime mas, sim, contra a própria produtora, que não finalizou a produção da série. Realmente uma pena.

Cátia Nunes


Nenhum comentário:

Postar um comentário