quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Pokémon – Jirachi Realizador de Desejos (Movie)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 02/10/2009

Alternativos: Pokemon - Jirachi Wish Maker; Pocket Monster Advanced Generation: Nana-Yo no Negai Boshi Jiraachi
Ano: 2003
Diretor: Kunihiko Yuyama
Estúdio: Oriental Light and Magic / Shogakukan
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 70 min
Gênero: Ação / Infantil / Comédia



O sexto filme da série Pokémon é um filme surpreendente, se formos comparar com os outros filmes da série. O que dizer de um filme onde o principal não seja o Ash, o Pokemon do título praticamente não tenha poderes, entre outros detalhes incomuns que não posso falar com risco de contar demais? Além disto, é o primeiro a ter May e Max, A ousadia dos realizadores deste filme é impressionante. Pena que não tenha sido um projeto a altura da criatividade e ousadia dos produtores / roteiristas.

O filme começa com uma sequência brilhante, mostrando cenas dos filmes anteriores. Um boa alternativa ao filminho só com pokémons que já era um padrão nos filmes. Os personagen são Ash e Brock, os mais famosos, e May e seu irmão caçula, Max. Eles são os novos coadjuvantes da série Pokémon. May era a personagem do jogo Pokemon Ruby para Game Boy Advanced, que ganhou uma participação efetiva no desenho (ela evoluiu ^^). É meio que uma versão da Misty, com seu temperamento impulsivo e seu stress. Mas ainda assim é uma boa pessoa. Seu irmão é um personagem mais interessante. Um pequeno nerd, Max é inteligente mas tem os problemas de toda criança. Não tem dez anos ainda, por isto não tem um Pokémon (ele ganha um na série quando completa 10 anos, mas isto é outra história). É sistemático, infantil, faz birra de vez em quando, adora brincar, enfim, é uma criança comum, e um ótimo contraponto pra perfeição de Ash (que age com um irmão mais velho/mestre para ele). Além destes personagens, ganham espaço os personagens Butler e Daiane, um casal composto por um mágico e sua assistente. Ambos são apaixonados um pelo outro, e são importantes para a trama. Ele é um ex-membro do Team Magma, que foi humilhado pelos seus companheiros. Já ela é só uma acompanhante bonitinha mesmo. Eles são praticamente os únicos personagens humanos do filme. Há Jirachi, um Pokémon em forma de estrelinha, que fica adormecido no formato de um cristal por 1000 anos pra depois despertar por sete noites, repetindo um interminável ciclo. Vira um grande amigo de Max e é um Pokémon que fala a língua humana. Absol, uma espécie de cachorro que tem com função proteger o Jirachi, e Groudon, um Godzilla vermelho gigantesco.


A história é muito simples, na verdade simplória. Jirachi vira amigo do Max e depois é seqüestrado, aí Ash e seus amigos vão tentar salvar seu novo amigo a qualquer custo. Na verdade, é melhor dizer Max e seus amigos, pois Ash (ainda bem) tem uma participação pequena neste filme. Pikachu aparece só pra soltar seus choques do trovão, May tem uma identificação com Daiane pelo fato das duas serem mulheres, e Brock... quem é Brock mesmo? O filme peca muito no desenvolvimento dos personagens, que mesmo que tenham um papel de destaque, acabam tendo uma participação muito forçada e rápida. Os clichês atingem um nível assustador, mesmo que o personagem (-coff coff – não posso contar por que é spoiler) seja menos maniqueísta que os vilões da série e do filme (com a exceção óbvia de Jesse, James e Meowth). O roteiro é extremamente furado, com alguns fatos dignos de risada. Quem conjuraria uma criatura extremamente poderosa e destrutiva e não se lembraria de bolar um jeito pra controlá-la? E há frases meio sem sentido. ”Quem chegar por último é um pokémon lendário!“ Tomara que isto seja uma tradução literal do original, e não a adaptação tosca que parece.Tudo isto é uma pena, por que a narrativa fica muito boa e muito fluida em algumas partes. O enfoque de preservação ambiental também já está muito batido, e em nada contribui para melhorar a moral do filme. No geral, o que salva o filme são pequenas cenas isoladas, e só.

Nos quesitos técnicos, Jirachi O Realizador de Desejos deixa muito a desejar. Os personagens contrastam fortemente com o fundo, os efeitos 3D são porcos e ultrapassados, e as cenas de ação são simples o bastante para serem tediosas. A cena dos pokémons voadores usados como montaria por alguns personagens tinha grande potencial, mas termina não empolgando. O cristal do Jirachi no começo do filme parece que foi recortado de uma série 3D dos anos 90 e colado no filme. Decepcionante. Só pude conferir a versão dublada, e ela está de média pra regular. Ash fala absurdamente rápido algumas vezes, e Daiane tem uma voz muito bonita mas muito abafada, que acaba dando a impressão de que a personagem está a quilômetros de distância. Os efeitos sonoros são simples ao extremo, e muitas vezes tem mudanças enormes acontecendo no cenário mas fora os personagens falando só nada se ouve.



Fazer um filme que definitivamente não é voltado pra Ash e com um pokémon muito mais importante pelo que representa do que pelo poder de combate foi uma idéia muito boa. Retirar as batalhas pokémons foi algo muito bom para poder desenvolver os personagens, mas como isto não aconteceu serviu apenas para decepcionar os fãs. Pokémon sofre de muito preconceito pela faixa etária a que se destina, e filmes como este servem para mostrar que muitas vezes tal preconceito é merecido. Inovar foi algo muito bom, mas sem competência o resultado final ficou ridículo.

Heider Carlos


Nenhum comentário:

Postar um comentário