segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Nadesico: Prince of Darkness (Movie)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 28/02/2005

Alternativos: Kidou Senkan Nadeshiko: Prince of Darkness
Ano: 1998
Diretor: Tatsuo Sato
Estúdio: Production I.G. / XEBEC
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 87 min
Gênero: Comédia / Drama / Sci-Fi



OBS: Esse review contem alguns "spoilers" sobre a série de TV "Martian Sucessor Nadesico", pois é dificil explicar a história do filme sem contar coisas que aconteceram no anime.

Se fosse um review de "Ghost in the Shell", eu poderia perguntar o que é torna os seres humanos, seres humanos, afinal? Sua pele, sua carne, a capacidade de pensar, a alma? Essa não é uma questão simples de ser respondida.

Mas como esse texto não é sobre GITS, a pergunta que deve ser feita é outra: o que é faz Nadesico ser Nadesico? As batalhas de robôs? A trama repleta de "verdades" e "justiça" que, na verdade, mostra que as coisas não são tão simples assim? A intriga política? A mescla perfeita que não permite a você afirmar com certeza se é um tema sério num anime de humor ou cenas engraçadas em um anime sério?

Apesar de aparentemente ser uma pergunta simples de ser respondida, na verdade não é. Talvez essa incapacidade de responder a uma pergunta simples apenas prove que eu sou simplesmente "baka", como diria Ruri-chan.

Por isso eu suponho que o diretor Tatsuo Sato deve ter tido muito trabalho com esse filme baseado em um roteiro original, ou seja, que não está no mangá. Se explicar o segredo do anime não é uma questão simples, imagine o quanto mais complicado seria refazê-lo. Guardadas as devidas proporções, seria como chegar no Leonardo da Vinci e dizer "esse seu quadro é realmente bonito, mas dá pra fazer um melhor ainda para eu colocar no meu banheiro?". O que eu quero dizer, enfim, é que apesar ter todos os elementos que fazem Nadesico ser Nadesico, esse filme realmente não incorporou de todo o espírito da série de TV, e isso é uma grande pena.

Três anos após os eventos relatados em Martian Sucessor Nadesico, as coisas não são mais como eram antigamente. Nesses três anos a Terra e as forças Jupterianas, depois de muito se acertarem uns nos outros, acertaram suas diferenças entre si e agora trabalham unidas. O governo da Terra Unida iniciou um ambicioso projeto chamado "Plano Hisago", que consiste numa série de colônias orbitais ao redor do Sistema Solar graças ao salto Boson, que é agora uma realidade. Akito e Yurika se casaram e Ruri ficou sob a custódia legal do casal (que linda familia feliz, embora eu suponho que o "responsável" da casa seja ela...), e o resto da tripulação da Nadesico seguiu suas vidas depois do fim da guerra.


Entretanto, em um acidente nunca explicado direito, Akito e Yurika acabaram desaparecendo em um salto Boson e posteriormente foram dados como mortos, devolvendo Ruri a sua condição de orfã mais uma vez.

O filme começa então a partir deste ponto, com uma Ruri já adolescente, capitã da Nadesico B, nave de batalha da Nergal composta por uma tripulação parte-terrestre, parte-jupteriana, o que particularmente me lembra a "nova geração" de Star Trek ,quando os Klingons cooperam com a frota estelar, mas isso é outra história.

O caso é que, subitamente, as colônias do plano Hisago começam a ser atacadas por um grupo terrorista auto-denominado "Sucessores Marcianos", que parecem ter a incrível capacidade de teletransportar não só robôs e naves, mas também simples individuos, que podem se teletransportar a seu bel prazer, fazendo deles inimigos aparentemente imbatíveis. A fim de investigar tal ocorrência, é enviada para essa missão a jovem tripulação da Nadesico B e sua adorável capitã.

O que se segue então é um mergulho numa trama suficientemente interessante, repleta de intrigas políticas, dilemas pessoais e questões a serem elucidadas, bem ao estilo da série de TV, com direito a tirar da aposentadoria vários membros da tripulação original da Nadesico.

Qual o significado da palavra "OTIKA" que aparece nos monitores pouco antes dos ataques às colônias? Quem são os estranhos Sucessores Marcianos e porque eles atacam as colônias? Terão mesmo Akito e Yurika perecido? Ruri Hoshino continuara mantendo seu posto como personagem mais "kawaii" de todos os tempos? Todas essas são questões apresentadas neste filme relativamente curtinho, menos de 1:30, mas nem por isso com o ritmo prejudicado

Tudo isso embalado por uma trilha sonora que não merece ser criticada (embora eu tenha sentido falta das musicas referentes a Gekiganger), e uma animação de altissima qualidade, realmente digna de ser apresentada na tela grande. Não só a qualidade da imagem é soberba, como os detalhes (agora sim a tecnologia parece com o que se pode imaginar para as vesperas do ano 2200).

Então o filme é perfeito? Não, longe disso, e aqui está o ponto nos remete ao que eu estava falando no começo: o que faz Nadesico ser Nadesico? O longa-metragem possui o mesmo diretor, os mesmos elementos da série de TV, orçamento e imagens superiores, mas ainda assim falta o mais importante a esta obra: o espirito da série, a essência realista-descompromissada (?!?) do anime que tanto sucesso fez na TV.

O filme todo é tenso demais, sombrio, sério, trágico e, às vezes, até mesmo cruel demais. Não que ao longo dos 26 episódios da televisão não existam momentos assim, mas uma coisa é ter momentos assim, e outra completamente diferente é produzir algo totalmente tão denso o tempo todo. Definitivamente Martian Sucessor Nadesico não é esse denso arauto da desesperança que o filme parece ser devido a sua seriedade.

Então quer dizer que o filme é ruim, para os fãs principalmente? Hm, não necessariamente. Existem boas recompensas para quem assistiu à série como, por exemplo, ver que rumo cada um da excêntrica tripulação tomou (levando em conta as figuraças que são...). Mas, certamente, o mais legal do filme é a sensação de nostalgia empregada pelo diretor. É como aquela sensação de rever os colegas de escola que você não via há muito tempo, lembrar de dias em que foram vividas grandes aventuras, dias de um passado que às vezes nem é tão distante, mas que parece que aconteceu em outra vida, com outra pessoa (na verdade os personagens novos, criados para o filme, demonstram até um certo ciúme desse sentimento)..

Muita gente não gosta dessa sensação, mas pessoalmente eu creio ser o grande achado do filme, mais do que travar uma nova batalha, aspirar à nostalgia dos dias antigos e constatar que todo esforço, no fim, valeu a pena... "These Are the Days of Our Lives" já cantava o genial Freddie Mercury. Ou, se preferir algo mais ao gosto da série, "Aqueles dias inesquecíveis, por eles, eu vivo".



Ruim não dá pra dizer que o filme seja, mas também não é tão bom quanto poderia ser... Sem grandes restrições e nem mesmo nenhuma grande recomendação para assistir, é o que se costuma chamar de "não fede nem cheira", apesar de toda sua qualidade técnica. A unica recomendação feita é que você não assista esperando entender o que faz de Nadesico um anime tão bom. Neste caso eu recomendo assistir à própria série, e não a este filme...

PS: Por que o filme tem esse nome? Alem de simbolizar a trama sinistra que vem pela frente, existe, sim, um motivo dentro do filme. Mas é algo tão superficial que se voc piscar nem vai entender. A impressão que fica é que, na hora de lançar o filme, já com o prazo estourado, alguém da Xebec gritou:
- E o titulo?!
- Sei lá, coloca qualquer coisa pra ficar "estiloso"! - alguém gritou de volta...


Cilon Mello


Nenhum comentário:

Postar um comentário