sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Neon Genesis Evangelion: Death & Rebirth (Movie)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 20/03/2007

Alternativos: Shin Seiki Evangelion Gekijô-ban: Shi to Shinsei
Ano: 1997
Diretor: Hideaki Anno / Kazuya Tsurumaki / Masayuki
Estúdio: Gainax / Production I.G. / MOVIC
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 139 min
Gênero: Drama / Mecha / Sci-Fi



Já viram aqueles animes que fazem tanto sucesso, mas tanto sucesso, que os produtores começam a lançar várias produções relacionadas a ele, mas que nem de longe são dignos de se aproveitar da fama do original do qual se derivam?

Produzido em 1997 por Gainax e Production I.G, Neon Genesis Evangelion Death & Rebirth foi a segunda investida da empresa nos cinemas japoneses (antes, havia sido o Wings of Honneamise, considerado um dos melhores "movies" da história e também um dos maiores desastres de bilheteria do Japão...) ou, na verdade, a 2° e a 3° investida, pois tratam-se de 2 filmes diferentes no mesmo pacote. O primeiro, Death, tem como pretensão representar um "resumo" da obra televisiva, enquanto Rebirth seria um novo capítulo.

Não farei comentários quanto à história, pois não há como avaliar o que não existe. Isto mesmo, EvaDeath não tem história, enredo ou algo parecido. O filme tenta recordar alguns dos momentos em que o lado emocional de cada personagem é retratado durante a série, porém sem uma ordem conexa ou que siga cronologias. Momentos que os diretores acharam importantes foram simplesmente atirados no anime, provavelmente seguindo um conceito totalmente pessoal de interpretação, não se importando se o filme teria algum sentido da forma que foi "montado" para as pessoas que o assistem.

EvaRebirth, por outro lado, faz a continuação da serie onde parou, ignorando os 2 capítulos que a encerram. O problema grave deste filme é que, além de ser extremamente curto, trata-se apenas do início do filme The End of Evangelion. Ou seja, você contemplará, ao assisti-lo, um filme sem final (!).


Em quesitos técnicos, Death leva um nome bastante adequado, não imagino nome melhor. O filme mais se assemelha a um resumo de problemas de enredo e desenvolvimento de história do que qualquer outra pretensão. Além dos já citados problemas, EvaDeath usa descaradamente cenas já utilizadas durante a série. Em raríssimos momentos aparece um rápido quadro ou cena redesenhada, e só. Alguns poucos diálogos foram refeitos (com pouca ou nenhuma diferença prática), mas as imagens foram exatamente copiadas da série. Adicione a isto a falta de conexão entre os momentos retratados e ganhe um anime enfadonho e confuso de ser visto. Construção muito semelhante à utilizada nos polêmicos 2 últimos capítulos da série.

Em EvaRebirth, por se tratar de um pedaço de outro filme, é complicado avaliá-lo. A impressão que se tem é que a Gainax decidiu pegar o que já havia de pronto para o filme End of Evangelion e lançá-lo assim mesmo nos cinemas, e mais tarde, quando o filme estivesse REALMENTE pronto, lançá-lo com outro nome. Decepcionante.

Entre os dois filmes, existe um "intervalo" de cerca de 4 minutos com uma música ao fundo, e trilha sonora de encerramento e créditos diferentes para cada filme. Talvez o único bom momento de contemplação de EvaDeath seja a música Kanon D-Dur Quartet, com a maravilhosa vista do pôr-do-sol sobre o lago formado pela destruição de Tokyo-3. Quanto a Rebirth, nada de destaque.

Se você é fã incondicional da série ou ficou com alguma dúvida sobre a mentalidade de algum personagem, talvez possa conseguir assistí-lo. Do contrário, não vejo razão alguma para ter Death & Rebirth em qualquer coleção. Death não passa de uma repetição confusa de tudo que já foi mostrado na série, e Rebirth não passa de um bom filme sem meio e fim.



Mesmo com o compromisso com a imparcialidade, não escondo de ninguém que sou fã da série Neon Genesis Evangelion, mas depois deste filme a Gainax ganhou a má fama de "exploradora de fã", e estes OVAs são, de fato, bons motivos para acreditar nisto.


Emanuel Silva Sena


Nenhum comentário:

Postar um comentário