sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Nodame Cantabile: Finale (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 06/05/2011

Ano: 2010
Diretor: Kazuki Nakashima
Estúdio: J.C. Staff
País: Japão
Episódios: 11
Duração: 23 min
Gênero: Comédia / Música / Drama



Nodame Cantabile: Finale começa exatamente de onde Paris-hen terminou. Nodame e Chiaki em Paris, crescendo mais e mais musicalmente e profissionalmente, e fim. Bem, é basicamente disso que a última fase de Nodame Cantabile trata. Parece que existe uma espécie de lei entre alguns animes: “Animes que rendem temporadas tendem a se perder em si mesmos”. Mas vamos explicar o porquê.

Essa última fase não mostra nada muito novo. Vemos um cotidiano mais puxado na vida do casal, uma leve impulsão na carreira de Chiaki, assim como nos estudos de Nodame, além de um clima quase exageradamente meloso entre os dois, e esses são os maiores motivos pelo qual muitas pessoas quiseram abandonar – ou abandonaram – a série. O ritmo do anime parece não querer seguir em frente, tudo fica na mesma, apenas um vaivém incessante e até mesmo desnecessário. Não se vê uma definição exata nem do relacionamento de Nodame e Chiaki, nem um melhor desenvolvimento no que diz respeito ao próprio enredo.


Complicações na relação de Nodame e Chiaki acontecem de maneira tal que até descaracterizaram um pouco a série. Não havia necessidade de Chiaki tomar certas atitudes, nem muito menos ficar pensando e imaginando o que estava acontecendo ou o que poderia acontecer, pois onde está o Chiaki decido e confiante de si mesmo? Os sentimentos de Nodame são tão melosos que são dignos de uma mulher em seus dias escabrosos, ou seja, inconsistência sentimental. São fatos que contrastaram com a personalidade desses dois personagens, de acordo com as primeiras temporadas.

Outra coisa decepcionante, chata mesmo, é o aparecimento de certos personagens que parece que vão dar uma reviravolta na série, uma alavancada, assim como no início, mas tudo o que fazem é jogar suas palavras para o vento, já que nada do que falam nem nada do que se espera deles faz diferença alguma na série. Sim, não fique surpreso ao ver Sebastian Viella nem guarde muitas esperanças mesmo depois de ver o episódio 8 com Stresemann, mesmo este sendo o episódio mais promissor de Finale. Tanto é que, no episódio 9, a audiência do anime no Japão subiu de repente e, depois, despencou na mesma proporção.



É triste ver que Nodame Cantabile decaiu muito, mesmo continuando com o bom humor, além de ter mostrado um pouco a história por trás de alguns personagens, como Tanya e Rui, e tendo melhorado muito na sincronização entre os dedos e o piano. Pode-se dizer que o anime ficou bem mais feminino, o que não é empecilho pra homem nenhum quando se faz bem feito, mas fazendo uma comparação com a essência do próprio anime, Finale foi a versão mais desafinada e sem compasso da série inteira. O anime clamava pelo final mais provável que poderia haver, todos esperavam ver aquilo que gostariam de ver, ou pelo menos uma parte do que queriam e deveriam ver. Só que, mais uma vez, não havia necessidade de dificultar tanto as coisas para um anime que andava sempre no caminho da simplicidade. Quebras de ritmo e mudanças de tom marcaram essa fase, e isso logicamente não é muito bonito de se apreciar.

NOTA: Quem leu a resenha da fase Paris-hen vai perceber que eu mordi minha língua em relação ao que escrevi no último parágrafo dela...


Marcos França


Nenhum comentário:

Postar um comentário