sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Panty & Stocking with Garterbelt (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 24/01/2012

Ano: 2010
Diretor: Hiroyuki Imaishi
Estúdio: Gainax
País: Japão
Episódios: 13
Duração: 23 min
Gênero: Ação / Comédia/ Ecchi



Anjos são criaturas celestiais que vivem no céu. Mas, e se em pleno século XXI, alguns deles começam a ter um comportamento “inadequado”? Devem ser expulsos do paraíso por toda a eternidade, ou podem receber uma pena mais leve, como “prestação de serviços comunitários” aqui na Terra?

Produzido pela Gainax, Panty & Stocking with Garterbelt (uau, que nome longo! Vou passar a chama-lo de “PSG” ok?) é uma divertida sátira do desenho ocidental “The Powerpuff Girls” da Time Warner, especialmente pelo design geral que lembra muito a série americana. Felizmente, as semelhanças terminam aí, pois o anime tem muita personalidade própria, ou quase.

Mesmo com o estilo “desenho de flash” que já conhecemos, PSG é muito superior a “Powerpuff” em termos técnicos. Além dos muitos quadros de animação, ângulos de câmera e sequências animadas complexas e ousadas estão por toda a parte, além do intenso uso de elementos computadorizados em muitos capítulos. O uso das cores e contrastes também é fabuloso, bem como a construção de cenários e elementos de primeiro e segundo plano.

A parte sonora também merece muito destaque, com uma série de músicas eletrônicas grudentas que insistem em não sair da cabeça do espectador por bastante tempo. As dublagens estão ótimas, e os efeitos sonoros também estão precisos e bem relacionados.

Em “Powerpuff”, 3 meninas estudiosas eram cuidadas por um professor, morando em sua casa. Já em “PSG”, duas “periguetes” e um bicho de pelúcia vivo são cuidados por um padre autoritário e moram na sua paróquia. As duas garotas são os anjos Panty e Stocking, que foram expulsas do paraíso por comportamento inadequado, e agora têm que pagar uma penitência para retornarem.

Stocking tem longos cabelos escuros e cometeu o pecado da Gula, pois é viciada em doces. Está o tempo todo comendo, não vive sem revistas de guloseimas, e faz questão de comer todos os lançamentos. Já Panty, a loira de cabelos “esvoaçantes”, por outro lado, cometeu o pecado da Luxúria, pois é viciada em sexo (!), e vive perseguindo todos os homens bonitos da cidade para transar com eles... mesmo durante as missões, está sempre atenta a “novas oportunidades” de (MUITO) sexo em qualquer lugar que seja. Além delas, temos o padre Garterbelt, um moreno alto e musculoso com voz grossa e um imponente cabelo “black power” que, apesar do ar de “general”, tenta esconder e controlar seus “verdadeiros” instintos sexuais... =x . E temos também Chuck, um bicho de pelúcia vivo completamente idiota; GeekBoy, um garoto “nerd” ruivo todo atrapalhado; e o See Through, um grande jipe Hummer conversível rosa que os anjos usam para se locomover, sempre de óculos escuros, som alto e cabelos ao vento, claro.


Panty e Stocking são enviadas para a cidade de Daten para eliminar uma infestação de demônios que têm assolado a cidade, chamados de “Ghosts”. Para cada missão completa, ou Ghost derrotado, elas ganham moedas especiais para pagar sua re-admissão no Céu. As missões são enviadas diretamente por Deus através de raios e manuscritos misteriosos, onde Gaterbelt procura decifrá-los e ajudar as meninas a entender seus objetivos. Entretanto, tanto Panty quanto Stocking não estão nem aí para nada disso, e só querem saber de curtir e se divertir. Elas detestam ter que ficar por aí perseguindo Ghosts o tempo todo, e preferem bem mais levar uma vida boêmia e promíscua, para desespero de Garterbelt.

Outro detalhe curioso são as armas usadas contra os Ghosts: Stocking tira as suas meias-calças (por isso o nome) que se transformam em espadas. Panty tira a calcinha (O.o) que se transforma em um revólver. Tudo isso em uma “sequência de transformação” que mais parece um show de strippers – e na verdade é isto mesmo.

Cada capítulo conta com 2 episódios, que não seguem uma sequência e são totalmente independentes uns dos outros. As missões são muito variadas e algumas são bem engraçadas, especialmente as sátiras de filmes e séries famosos, como Transformers, Velozes e Furiosos, Resident Evil e High School Musical.

Lá pelo sexto capítulo, somos apresentados a dois novos personagens, Scant e Kneesocks, duas irmãs demônias que são o oposto das irmãs-anjos. Elas adoram regras cultas e comportamento socialmente adequado, e se mostram como as principais rivais de Panty e Stocking para impedi-las de continuar eliminando os Ghosts que elas mesmo espalharam.

Apesar do trocadilho infame, as irmãs demônio também trazem o mal da série, ou não exatamente, pois depois desse capítulo de apresentação – um dos mais bem feitos de toda a série, cheio de cenas complexas e muitos efeitos super detalhados – quase todos os capítulos seguintes que as irmãs Scant e Kneesocks não aparecem são completamente descartáveis. A série, apartir do 8° capítulo, perde totalmente as rédeas, cheia de episódios chatos e sem sentido, com destaque para a paródia dos três filmes “De Volta para o Futuro", que sintetiza bastante o meu comentário. De vez em quando, a série volta às origens com as irmãs demônio, mas são raros os capítulos em que elas não aparecem que possam valer a pena a partir daí.

Outro problema é quando o anime tenta ser mais sério do que engraçado, ou mesmo no final... aliás, cadê o final? O último capítulo é cheio de grandes reviravoltas, mas termina no meio de uma das melhores e mais intrigantes revelações, que ainda deixa muitas coisas muito sem sentido.



Panty & Stocking with Garterbelt é um anime realmente muito interessante, engraçado e cheio de sátiras e citações curiosas, mas depois do meio da série, ela descamba, e alguns poucos capítulos sobram vivos, além do “quase” final que deixa uma brecha para uma possível sequência. Vale a pena conhecê-lo? VALE! Especialmente se você não tiver problemas com piadas imorais, palavrões e extremo apelo erótico, mas que conta com toda a qualidade e genialidade de um anime Gainax. Pena é que, do meio pra frente, uma “peneiragem” seja tão necessária... =/


Emanuel Silva Sena


2 comentários:

  1. Discordo do que você disse a partir do ponto: perde o sentido a partir do epi 8, em diante. Bem... O "sair das rédeas" e "perder o sentido" é exatamente a proposta da obra, acompanhada de ser algo bizarro, non-sense e provocar ofensa; ou seja, esses dois epis ainda estão dentro da proposta. ALiás, o nível de loucura deles estava praticamente no mesmo nível comparado a dos outros. Fazendo um comentário especial sobre o epi 9, ele ficou muito bem feito, principalmente pela estrutura, pois ficou algo bem dicotômico entre a dupla: epi da praia (Panty) X romance (Stocking); que aliás, acrescentou algo a mais à base da personalidade da Stocking (que ela não liga para as aparências no que diz amor, ao contrário da panty, que só importa o físico dela. Agora os epis 10 e 11, bem, de certa forma, eles poderiam ser dispensáveis, mas tiveram sua relevância, porque mostraram da onde "veio" os personagens do Chuck e do Garterbelt; e, principalmente, serviu pra passar a sensação posterior de tédio que a dupla iria sentir lá pelo epi 12. Achei uma estrutura bacana nisso. E sobre o final, há varias teorias sobre ele, a mais plausível é que seja suma piada do Imaishi, que utilizou do choque. EU mesmo tenho uma teoria sobre aquele final. Era só isso mesmo, por sinal, texto ficou legal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Douglas. Entendo que você tenha gostado das "mudanças" propostas na série a partir de sua metade, mas EU continuo a reprova-las completamente, o que evidencia que apenas temos pontos de vista distintos sobre eles né. ^_^ De qualquer forma Muito Obrigado por participar e enriquecer o texto com as explicações apresentadas. Abraço!
      -Emanuel Sena

      Excluir