sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Shingetsutan Tsukihime (TV)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 31/12/2008

Alternativos: Lunar Legend Tsukihime; Lenda Lunar Tsukihime
Ano: 2003
Diretor: Katsushi Sakurabi
Estúdio: J.C. Staff
País: Japão
Episódios: 12
Duração: 24 min
Gênero: Drama / Mistério



Tsukihime conta a história de Shiki Tohno, um garoto de 17 anos que sofreu um grave acidente enquanto criança e, quando acordou de seu leito, percebeu que é capaz de ver as ”linhas da morte“, linhas vermelhas que somente ele pode ver. Caso uma dessas linhas seja cortada, a pessoa ou qualquer ser vivo ou inanimado que estiver entre essa linha será cortado (ou literalmente fatiado) na mesma direção onde se encontrava a ”linha da morte“.

Ainda criança, Shiki encontra uma mulher, muito misteriosa por sinal, que lhe entrega um par de óculos para que ele não veja mais tais linhas. Passados 8 anos, ele retorna para a mansão de sua irmã Akiha, ao mesmo tempo em que uma onda de assassinatos estranhos percorre a cidade. Nesse meio tempo, Shiki encontra uma garota chamada Arcueid Brunestud numa praça, e algo estranho e inusitado acontece. É a partir desse lance que a história começa a se desenvolver. Quem é Arcueid? De onde veio e quais seus propósitos? E a irmã de Shiki? E o que o próprio Shiki tem a ver com o seu ”dom“ e todos a seu redor?


Carregado de sutilezas, Tsukihime é uma obra bastante subjetiva em seus propósitos. Alguns personagens, na verdade quase todos exceto o Shiki, têm o seu passado pouco revelado, o que pode tornar o anime um pouco indefinido. Arcueid e Ciel são exemplos claros disso. E é por esse motivo que Tsukihime irá agradar apenas aos que se interessam por uma boa história e que, ao mesmo tempo, gostam de imaginar e tirar suas próprias conclusões sobre os personagens.

Todo o enredo é misterioso, do início ao fim, e nem espere que o anime se resolva totalmente por si só no final, como fazem muitas outras obras por aí. Como eu falei, o subjetivismo toma conta do anime e o ”imaginar“ é essencial. E mesmo que seja um anime de vampiros, não é o horror que se sobressai. Na realidade, é um anime de romance e mistério sem apelações em nenhum sentido. Inclusive, há uma cena de romance nos episódios finais à qual todos que não gostam de coisas exageradas provavelmente darão valor.

Os personagens são igualmente sutis, mais uma vez sem exageros, e mesmo não tendo um passado totalmente claro, possuem personalidades bastante definidas. O traço e o som estão totalmente de acordo com o que a obra quer passar, são simples, mas de bastante qualidade (merece destaque a música de abertura, que dá todo o aspecto misterioso do anime, muito boa). Do modo técnico, nada impressionante, mas bem feito. Sobre o enredo, o ritmo cai bastante pra um anime de 12 episódios, o que pode ocasionar a desatenção do espectador e o desagrado do mesmo.



Sendo um anime muito provavelmente feito para imaginar certas situações, Tsukihime peca essencialmente em seu ritmo no andamento do enredo. Mas mesmo cometendo esse erro, seu aspecto técnico tranqüilo, os personagens e o clima de mistério carregado levemente com romance fazem deste anime uma obra satisfatória como um todo.

Nota: Tsukihime foi baseado em um jogo hentai, porém não existe nada que apele para esse caminho.


Marcos França


Nenhum comentário:

Postar um comentário