sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Street Fighter IV: The Ties That Bind (OVA)

OBS: Resenha publicada originalmente no Animehaus em 30/10/2009

Alternativos: Street Fighter IV: Arata naru Kizuna
Ano: 2009
Diretor: Jiro Kanai
Estúdio: Studio 4ºC
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 65 min
Gênero: Ação / Drama / Shounen



Street Fighter IV: The Ties that Bind (traduzindo: "Os Laços que Ligam") é um OVA promocional do jogo Street Fighter IV, série que, após um longo tempo, ganha uma sequência que faça jus à franquia. Provavelmente todos já conhecem a série, o que poupa comentários.

Cammy, Guile e Chun-Li investigam um caso em que vários lutadores de artes marciais andam desaparecendo. Cammy e alguns de seus parceiros descobrem alguns pontos em que há explosões de luz em vários pontos do planeta, descobrindo mais tarde que se trata de uma experiência com seres humanos promovida pela S.I.N., cujo líder é Seth. O projeto chama-se BLECE, uma arma alimentada por energia humana que consiste em fazer com que o líquido das células do corpo dos lutadores entre em expansão e as façam ”explodir“ – algo como liberar o "ki" oculto. Após algumas pesquisas e experiências, a S.I.N. descobre que um lutador em especial deve ser imprescindível para que o projeto dê certo e chegue ao fim, devido a todas as suas técnicas e ao seu "satsui no hadou" (intenção assassina). Seu nome é Ryu. Crimson Viper é a encarregada de caçar Ryu e levá-lo à S.I.N., e responsável pelas melhores cenas de luta do anime. Ken, sem dúvida, também está presente, e Sakura também faz sua aparição no OVA.

O enredo é diferente do usual. Se formos comparar com outros animes da franquia, de cara vemos algo diferente, mais sério ainda e mais reflexivo. Ryu (o eterno andarilho), por exemplo, é quase um filósofo, se me permitem a colocação. Seus questionamentos e palavras em seu treinamento e nas lutas são profundos. Para quem conhece e já assistiu ao agradável "Street Fighter II Victory" verá que Ryu está bastante sério e forte, o que de fato é a sua personalidade real. Ela ainda continua em sua busca pelo aperfeiçoamento de sua técnica. Ken, casado, agora preside a Masters Group, aparentando muito mais maturidade em relação à vida, e há muito tempo não vê seu amigo.


A trama vai seguindo basicamente na busca por Ryu, em que a S.I.N. tenta caçá-lo enquanto Ken, Guile, Cammy, Chun-Li e Sakura tentam impedi-la, fazendo com que a história se centre quase unicamente em Ryu. Os outros personagens são pouco úteis, até mesmo o Ken ficou meio "escanteado", sendo mais focado em sua relação com sua esposa, e a Sakura praticamente é um ”enfeite“. Os personagens mais significativos são Crimson Viper, o vilão Seth (no final) e Ryu. Por outro lado, todos os outros perderam bastante em suas essências.

Há também muita informação para pouco tempo, fazendo com que os acontecimentos corram depressa. Comparado com a série Victory, SF4 possui pouquíssima substância e emoção escassa, assim como ”Street Fighter II: The Animated Movie“, justificando o porquê de ser um ”especial de lançamento do jogo“. Já tecnicamente, SF4 tem um traço peculiar, bem colorido e com uma animação bem feita, nada muito especial. O som, meio escasso em certos momentos, mostra ainda mais a seriedade que o anime tem.



Street Fighter IV: The Ties That Bind está longe de ser um anime horrível, mas suas mudanças em quase todos os aspectos podem desagradar os fãs da série, que poderiam esperar uma série com mais ação. Os fãs dos outros personagens também não vão gostar do que fizeram a eles, pois onde estão as habilidades da Chun-Li? E os golpes do Guile? Onde estão os movimentos da Sakura? O final é basicamente o mesmo de sempre: Ken fica e Ryu vai. No mais, quem não se importa muito com a trama original ou já está cansado do enredo mais do que conhecido de Street Fighter pode assistir sem se decepcionar muito, embora não vá contribuir muito pra alguma coisa. Por outro lado, se o anime tivesse outro título e outros personagens, poderia render uma nota mais decente, mas estamos falando de Street Fighter.


Marcos França


Nenhum comentário:

Postar um comentário