terça-feira, 22 de novembro de 2016

Vinícius Chamiço


Se há 5 ou 6 anos atrás já me considerava deslocado de grande parte de meus colegas resenhistas, que dirá hoje.

Nunca me considerei aficionado por animes, muito menos um especialista no assunto, e sei que muitos aqui têm uma bagagem que não tenho. Mas, certamente, passei grande parte da minha infância e adolescência assistindo tais animações, como os leitores e resenhistas, e talvez esta tenha sido uma das minhas maiores paixões por um bom tempo.

Porém, em retrospecto, percebo que aquela fascinação por animações com enredos complexos e estilisticamente mais sofisticados ainda na adolescência, são resquícios dos meus interesses hoje que convergiram para minha formação. Ou seja, tanto o interesse pela estética, quanto pela crítica, já estavam imanentes em toda essa trajetória, principalmente quando comecei a escrever aqui na Animehaus.

Atualmente sou professor de Filosofia com Mestrado em Estética e Filosofia da Arte, e novamente resenhista da Animehaus. E se há algo que ainda me conecta com o universo das animações até hoje, não é só meu interesse pela estética audiovisual, ou por uma mera nostalgia, mas através da análise crítica, evidenciar a profundidade de diversas animações ignoradas pelo tolo discurso da irrelevância do gênero.



Nenhum comentário:

Postar um comentário