sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Mob Psycho 100 (TV)

Ano: 2016
Estudio: BONES
Diretor: Yuzuru Tachikawa
País: Japão
Episódios: 12
Duração: 24 min
Gênero: Ação / Comédia / Shounen / Drama



Do mesmo criador de One Punch Man, “Mob Psycho 100” conta a história de Shigeo Kageyama, também conhecido pelo apelido de “Mob”. Um garoto comum, de aparência nada chamativa e praticamente nenhum amigo, vive uma vida relativamente normal sem nunca ser notado por ninguém.

Por trás de sua imagem boçal, no entanto, esconde um grande segredo: Mob possui poderes psíquicos de altíssimo nível, sendo capaz de fazer as mais variadas coisas apenas com o poder de sua mente. Seus poderes são tão grandes que ele, inclusive, tem de tomar cuidado para não deixar que suas emoções se explodam além do limite de “100%”, ou ele pode acabar destruindo um quarteirão inteiro sem querer.

Ele trabalha para Reigen Arataka, um enganador e vigarista profissional, dono da “Agência Sobre Espíritos e Coisa e Tal”, onde tapeia seus clientes das maneiras mais criativas possíveis. Quando o caso envolve algum espírito de verdade, no entanto, ele pode contar com Mob para exorcizá-lo. Não que Mob saiba disso, é claro, pois sua ingenuidade faz com que veja Reigen como um “mestre”.

E assim, devido à natureza fantástica de seus poderes, Mob acaba se metendo em diversas confusões cômicas mas que, impressionantemente, também servem para desenvolver a ele próprio e os outros personagens ao seu redor.

É realmente impressionante o anime conseguir fazer tanta coisa com uma premissa que, a princípio, parece ser bem banal. Com muito bom humor e uma boa dose de ação, “ Mob Psycho 100” é um prazer de se assistir do início ao fim, recheado de personagens incrivelmente carismáticos e muitas vezes até relacionáveis. A própria relação entre Mob e Reigen é muito legal de se acompanhar, com Reigen se mostrando como uma pessoa de bom coração que honestamente se preocupa com criação de Mob, apesar de usá-lo para seus esquemas vigaristas. E tem muitos outros também: o irmão mais novo de Mob, Ritsu, que odeia o fato de não conseguir usar de poderes psíquicos como o irmão; Teruki, um psíquico arrogante que se acha superior aos outros, Ondinha, um espírito hilariamente corrupto e malvado, mas carismático; dentre outros.

Apesar de começar como uma espécie de slice-of-life de situações bizarras cada vez mais engraçadas, o anime aos poucos vai mostrando que também deseja tratar de assuntos mais sérios. Basicamente, MP 100 é uma história sobre o período confuso e agitado da adolescência, e Mob nada mais é do que um garoto preocupado em tentar aproveitar essa época da sua vida ao máximo. Apesar de ser claramente dotado de uma habilidade especial incrível, isso acaba não fazendo nada em relação à sua popularidade no meio social ou em sua vida amorosa, e essa escolha de não utilizar seus poderes para chamar a atenção são o foco principal da história. Outros personagens sempre o desafiam, dizendo que ele deveria usar seus poderes para se impor à sociedade, e esse tipo de conflito ideológico faz com que Mob se desenvolva muito ao longo da série.

As piadas são, também, consistentemente hilárias. Muitas brincadeiras envolvendo estereótipos de histórias de ação, quebra de tensão em momentos que deveriam ser sérios, personagens se vangloriando para serem nocauteados em um golpe e muitos mais tornam o anime uma delícia de se ver. E isso é ainda mais impressionante se considerarmos que esse humor está sempre presente mesmo nos momentos mais sérios e dramáticos, sem que um elemento passe por cima do outro em momento algum. É quase surreal ver um balanço tão perfeito entre drama e humor.

Grande parte de todo o carisma do anime, no entanto, se deve ao seu visual. Não só a paleta de cores é variada e agradável, como a animação também é simplesmente de cair o queixo, até para os padrões do estúdio BONES. As cenas de luta são ridiculamente divertidas e muito bem dirigidas, com uma fluidez e velocidade psicodélica que elevam todas as lutas à enésima potência, sendo incrivelmente empolgantes. Isso sem falar num estilo mais rabiscado para emular um mangá, que cai muito bem com todo o pacote visual. Tudo aliado a uma também ótima trilha sonora, desde os temas de abertura e encerramento, até as músicas de fundo imediatamente reconhecíveis depois de alguns episódios.

Se tem algum ponto realmente negativo a ser comentado sobre a série, eu diria que “Mob Psycho 100” peca um pouco em seu último arco, que se desenvolve de uma maneira mais formulaica de shounens antigos, onde temos uma organização do mal meio mela-cueca, cheia de vilões com diferentes habilidades especiais. Não que isso seja ruim, longe disso: no entanto, acho que foi uma direção estranha e desnecessária de se tomar, considerando o charme e qualidade dos episódios mais “soltos e mundanos” iniciais. Dito isso, o final é simplesmente sensacional, apesar de, assim como muitos animes da atualidade, terminar em um gancho para a segunda temporada (se houver uma).



“Mob Psycho 100” foi, sem dúvida, um dos melhores animes produzidos em 2016. Com uma narrativa inteligente, engraçada e ao mesmo tempo dramática, essa é uma série cheia de charme e carisma que oferece um nível de entretenimento que já não sentia faz tempo em qualquer mídia. Talvez não seja a praia de quem prefere algo mais sóbrio e sério, mas para todo o resto que não se importa em ver algo que se leva menos a sério (e que, de quebra, também oferece mensagens e comentários interessantes sobre amadurecer) “Mob Psycho 100” é um “must-watch”.


Lucas Funchal


Nenhum comentário:

Postar um comentário