sexta-feira, 31 de março de 2017

Hotori - Tada Saiwai o Koinegau (Especial)

Alternativos: Hotori - The Simple Wish for Joy
Ano: 2005
Diretor: Takashi Annou
Estúdio: Sunrise
País: Japão
Episódios: 1
Duração: 40 min
Gênero: Drama / Sci-Fi



Entre 2002 a 2008, o canal japonês de TV a cabo Animax realizou o Animax Awards (ou Animax Taishou, em japonês), para premiar os melhores roteiros originais de animes criados por todo o Japão. O roteiro premiado em cada ano ganharia uma versão em anime produzida por um grande estúdio de animação japonês, e seria exibido no ano seguinte no próprio Animax. Maya Miyazaki foi a vencedora em 2004, com o roteiro "Hotori - Tada Saiwai o Koinegau", e sua versão animada, produzida pela Sunrise, estreou em 2005.

"Hotori" se passa em 2034, época em que a tecnologia utilizada em robôs evoluiu a ponto de existirem as chamadas "Fábricas de Personalidades". Nestas fábricas, é possível inserir aos poucos as memórias de uma pessoa já falecida em um robô de aparência humanóide perfeita para que ele possa, de certo modo, substituir o ente querido ausente e minimizar a dor e o sofrimento daqueles que continuam vivos.

Suzu é um robô que está sendo treinado para substituir Ryou Ogura, um garoto que morreu devido a uma doença incurável. A enfermeira Usui, responsável por inserir as memórias em Suzu e treiná-lo, está satisfeita com o progresso do "pupilo". O garoto é capaz de se emocionar com coisas que gosta, como desenhos animados, tem movimentos corporais naturais, mas ainda faltam arestas a ser aparadas: ele ainda tem uma lógica um pouco rígida, com dificuldades para entender certas sutilezas da comunicação, mas nada muito sério.

Certo dia, Suzu vê aberta a porta de uma mansão vizinha à Fábrica de Personalidade, e lá dentro conhece Hotori. Filha do Prof. Shimizu, pesquisador-chefe da Fábrica, Hotori sofre de uma doença também incurável que é o oposto da situação de Suzu: enquanto o robô recebe novas lembranças diariamente, a garota perde um pouco de sua memória a cada dia: do nada, sem aviso prévio, ela tem uma crise, se desliga e, ao voltar, não se lembra do que aconteceu momentos antes. Irremediavelmente, chegará o dia em que Hotori não se lembrará de mais nada.


Por se tratar de um especial de TV, "Hotori" possui uma animação simples, mas eficiente. O desenho de personagens é expressivo, com olhos gigantescos que ocupam 1/3 da cara de Suzu e Hotori, mas relativamente genérico, especialmente em relação aos personagens secundários. A trilha sonora possui belos temas em piano e violão, às vezes com algumas seções de violino, que cumprem bem o seu papel sem serem muito intrusivos ou excessivamente dramáticos.

O roteiro basicamente gira em torno das situações opostas de Hotori e Suzu, e os dramas enfrentados não só por cada um, mas também pelas pessoas à sua volta. Hotori sabe que sua situação é irreversível, tem medo de não ser mais ela mesma caso perca todas as lembranças do passado. Seu irmão mais velho, Tatsuki, sofre com a degeneração gradual da irmã, e pressiona o pai para que ele transfira as memórias de Hotori para um robô, como os pais de Ryou Ogura fizeram com Suzu. O pai poderia fazer isto, mas não quer ter apenas uma imitação de sua filha ao seu lado. Suzu, por outro lado, começa a ter dificuldades em saber quem ele realmente é, não apenas por receber diariamente novas memórias de Ryou mas, principalmente, porque estas memórias começam a se misturar com aquelas que ele próprio criou ao longo de sua "vida". Onde começa Suzu e onde termina Ryou?

O problema principal de "Hotori" é sua curta duração: não dá pra desenvolver bem a história em apenas 40 min. Situações que deveriam evoluir de forma mais cadenciada acontecem muito rapidamente, impedindo que transmitam a emoção desejada ao espectador. Para piorar, enquanto a primeira metade possui um ritmo bem controlado e instigante, a segunda metade descamba para o dramalhão, tentando praticamente nos empurrar goela abaixo que tudo aquilo é triste demais e que temos que chorar de qualquer maneira.

Como acontece em muitos animes, os robôs são excessivamente humanizados: quando isto acontece, é muito difícil enxergarmos ali um robô que tenta entender quem ele é, e o que significa ser humano, pois ele já é humano demais. Outras obras conseguiram abordar esta questão com muito mais propriedade (Ghost in the Shell, The Time of Eve, etc). E o mesmo acontece com o lance da perda de memória de Hotori: o espectador sabe do problema muito mais porque a garota repete isto sem parar, do que por realmente sentir o peso e a dor de tudo aquilo. Comparado a outros animes que tratam de um tema similar (Kaiba, ef - a tale of memories), "Hotori" perde feio.



Não dá pra dizer que "Hotori" não é tão bom por contar com um diretor ruim ou inexperiente no comando, tendo em vista que Takashi Annou dirigiu nada menos que o excepcional "Maison Ikkoku". E dificilmente o roteiro de Maya Miyazaki seria premiado no "Animax Awards" em meio a tantos inscritos se fosse realmente fraco. Mas alguma coisa definitivamente se perdeu no meio do caminho, transformando uma obra com muito potencial em um anime apenas mediano.


Marcelo Reis


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário